Emprego Portugal precisa de 900 mil imigrantes para crescer 3%

Portugal precisa de 900 mil imigrantes para crescer 3%

A estimativa é do presidente do Conselho Económico e Social. Correia de Campos diz que "a Europa tem sabido lidar pouco bem com as questões migratórias sobretudo nos últimos dois anos."
Lusa 17 de Novembro de 2016 às 15:35
O presidente do Conselho Económico e Social (CES), Correia de Campos, afirmou hoje no parlamento que Portugal precisa de ter cerca de "900 mil trabalhadores imigrantes" para ter "um crescimento à volta dos 3%" do PIB.

António Correia de Campos, presidente do CES, que foi hoje ouvido na Assembleia da República no âmbito do debate na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), foi questionado pela deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua sobre o impacto dos últimos dados do emprego e da emigração na sustentabilidade da Segurança Social.

Na resposta, Correia de Campos disse que podia avançar "duas notas factuais" sobre esta matéria, salvaguardando que estas "não precisam da aprovação do colégio do Conselho para serem emitidas", e afirmou que são precisos cerca de 900 mil imigrantes para conseguir um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3%.

"Em relação à imigração, se nós quisermos ter crescimento à volta dos 3%, precisamos provavelmente de ter 900 mil trabalhadores imigrantes. Esperemos todos que este problema se venha a colocar", afirmou o presidente do CES aos deputados.

O presidente do Conselho Económico e Social acrescentou que "a Europa tem sabido lidar pouco bem com as questões migratórias sobretudo nos últimos dois anos" e que "não é possível tratar destas questões sem acordos com os países de origem".

Já quanto à emigração, Correia de Campos, que foi hoje ouvido pela primeira vez na qualidade de presidente do CES, afirmou que a informação disponível sobre esta parte da população portuguesa é escassa e não permite retratá-la com rigor.

"Sabemos muito pouco sobre quem são essas pessoas. Se perguntarmos aos representantes profissionais, dão-nos números gerais mas não temos um conhecimento rigoroso", acrescentou.

No seu projecto de parecer sobre a proposta de OE2017, o CES defendeu que o relançamento do crescimento económico é urgente para Portugal, por ser essencial para ultrapassar os constrangimentos financeiros do país e as dificuldades das famílias.

O Conselho liderado por Correia de Campos entende que "relançar o crescimento económico é hoje [...] um imperativo de grande urgência, uma vez que é uma condição necessária para ultrapassar os constrangimentos financeiros e também a difícil situação que muitas famílias continuam a enfrentar".

"Uma política de investimento destinada ao relançamento do crescimento económico deverá ser globalmente coerente e devidamente planeada e consensualizada. A este propósito, o CES não pode deixar de relembrar as múltiplas propostas que, no passado, formulou a este respeito", disse o Conselho no documento.



A sua opinião64
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

E assim, num país que está nas mãos de idiotas e oportunistas de baixa estirpe, vamo-nos entretendo e desgastando com afirmações parvas e medidas imbecis e disparatadas e desta forma esbanjando e desperdiçando energia que tão útil nos poderia ser para ajudar o país a subir de divisão; para uma divisão mais justa, mais produtiva, mais equilibrada e mais livre de imbecis.
É espantoso como indivíduos com vasto e elevado currículo como é o caso de CC, catedrático em não sei o quê, afinal mal sai da sua zona de conforto e descai imediatamente para a parvoice pura que seria irrelevante se não fosse irresponsável, dado que o tipo tem poder pela função e pela difusão.
Cada vez mais consolido a ideia de que neste país, profundamente corrupto num sentido abrangente, altos currículos são mais cadastros que currículos, ou seja, só ascendido nas hierarquias é um sinal da sua conformidade com a lei das máfias várias que dominam o país.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Que absurdo! Quanta bobagem! Os portugueses nao tem empregos nem para eles! Este senhor quer acabar de vez com os portugueses! Vergonha! quanto absurdo!!!

Casola Há 2 semanas

De 900 mil imigrantes , entao e os profissionais que foram forcados a sair de Portugal , que conheciam a lingua , a cultura ? Que foram aconselhados a emigrar ... Agora precisam de imigrantes ...? BEM boa sorte pobres idiotas . Um pais maravilhoso gerido por um Bando de idiotas e ladroes ...

casola Há 2 semanas

Receber , trabalhar mais horas por menos salario , tudo para encher os bolsos do patronato de algumas empresas que apresentaram lucros astronomicos e nunca estiveram em crise mas os seus empregados sim .Tudo isto para nos dizerem emigrem , bom , e assim fizemos , emigramos , agora dizem que precisam

casola Há 2 semanas

Pobres idiotas quando tinham trabalhadores qualificados , nao lhes quiseram dar aumentos , cortaram beneficios fiscais , fizeram-nos pagar do proprio bolso por formacao profissional de directivas comunitarias das quais Portugal recebeu fundos comunitarios , trabalhar horas extraordinarias sem as ...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub