Mundo Portugal responde a Maduro: “Governo não tem o poder de sabotar o pernil de porco”

Portugal responde a Maduro: “Governo não tem o poder de sabotar o pernil de porco”

A Venezuela tinha prometido entregar pernil de porco aos seus cidadãos pelo Natal. Tal oferta não aconteceu e Nicolas Maduro acusou Portugal de sabotar a importação de pernil. O ministro dos Negócios Estrangeiros responde dizendo: “o Governo português não tem seguramente esse poder de sabotar o pernil de porco”.
Portugal responde a Maduro: “Governo não tem o poder de sabotar o pernil de porco”
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 28 de dezembro de 2017 às 10:43

"O Governo português não tem seguramente esse poder de sabotar o pernil de porco. Vivemos numa economia de mercado. As exportações competem às empresas". Foi assim que o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em entrevista à TSF respondeu à acusação feita pela Venezuela de que Portugal tinha "sabotado" a importação de pernil de porco.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tinha prometido dar à população pernil de porco pelo Natal. Tal oferta não aconteceu e Caracas apontou as culpas a Lisboa. Esta quarta-feira, 27 de Dezembro, o presidente da Venezuela acusou Portugal de ter "sabotado" a importação de pernil de porco por parte do governo local, avança o jornal El Universal.

"O que é que se passou com o pernil? Sabotaram-nos. E posso dizer o país, Portugal. Estava pronto porque nós comprámos todo o pernil que havia na Venezuela. Comprámos todo. Mas tínhamos de importar e assim dei a ordem e assinei os pagamentos. Mas perseguiram as contas bancárias", disse Nicolás Maduro, citado pelo jornal venezuelano. O sucessor de Hugo Chávez disse ainda que: "perseguiram-nos dois barcos gigantes que vinham e sabotaram-nos por agora".

Em entrevista à TSF, o ministro português dos Negócios Estrangeiros disse ainda que ia questionar a "nossa embaixada na Venezuela" para perceber "o que é que se passa". "Evidentemente, não há aqui nenhuma interferência política porque o governo português não interfere no pernil de porco", reiterou.

Quando questionado se pretende chamar ao ministério o embaixador da Venezuela em Lisboa, Santos Silva disse que: "sou um cientista profissional". "Primeiro vamos apurar os factos e depois tiraremos as conclusões".




A sua opinião31
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 28.12.2017

Isto é muito simples de explicar. O regime venezuelano como qualquer regime comunista/socialista não tem dinheiro para mandar cantar um cego e não paga o que deve, logo, quem produz os pernis prefere vender a quem paga (vá lá saber-se porquê). Proponho o seguinte, os portugueses adeptos das ideologias comunas/socialistas que comprem pernis com o seu dinheiro e que os enviem para a Venezuela. Tem que haver solidariedade entre os alianados.

comentários mais recentes
eleitor 29.12.2017

Raios .......Tio Jerónimo faça um gesto , para o seu camarada . Ofereça uns porquitos a esse Tótó , coisa que por cá não falta !

Invicta 28.12.2017

Claro que não tem, Augusto! Tem é outros poderes, como ir-nos ao bolso, quando o carcanhol falta.

Anónimo 28.12.2017

O tipo desde que começou a ouvir passarinhos nunca mais ficou bom da tola.

Anónimo 28.12.2017

Afinal a TV diz que havia negócios do tempo do Sócrates, com o Chavez. O mesmo Sócrates de que este foi Ministro - já se esqueceu, claro, e goza!

ver mais comentários
pub