Economia Portugal fechou 2011 com défice de 4,2% do PIB (act)

Portugal fechou 2011 com défice de 4,2% do PIB (act)

Dívida pública entre as mais altas da zona euro.
Negócios 23 de Abril de 2012 às 10:18
A economia portuguesa fechou o ano de 2011 com um défice orçamental de 4,2% do PIB, fruto de medidas extraordinárias como a sobretaxa de IRS e a transferência dos fundos de pensões da banca. As estatísticas do Eurostat divulgadas esta manhã, que confirmam as contas já avançadas pelo Instituto Nacional de Estatística, mostram ainda que a dívida pública no final do ano fixou-se nos 107,8% do PIB.

Entre os 17 do Euro, Portugal foi assim o oitavo país da zona euro com um défice mais baixo, atrás da Grécia (9.1%), Espanha (8.5%) e França (5.2%), isto num contexto contraccionista em que 24 dos 27 países da União Europeia apertaram o cinto em relação a 2010. Finlândia e Luxemburgo apresentaram orçamentos praticamente equilibrados, com défices abaixo de 1% do PIB.

O resultado português ficou bastante abaixo dos 5,9% do PIB inicialmente fixados, mas à custa de medidas extraordinárias de consolidação. Para este ano, Portugal terá de chegar aos 4,5% do PIB, uma tarefa especialmente difícil num contesto de forte recuo da economia, em que o Governo já referiu que não lançará mão de novas medidas de austeridade.

Ao nível do endividamento, Portugal fechou o ano com o quarto maior nível de dívida pública da Eurolândia, precedido pela Grécia (165,3% do PIB) e Irlanda (120,1% do PIB), dois países com assistência financeira, e pela Itália (120% do PIB), tendo havido contudo diversos casos em que o rácio de 60% do produto foi ultrapassado.

O Eurostat exprime reservas específicas em relação às contas reportadas pela Irlanda, apontando o facto de a reestruturação do Allied Irish Bank e o Irish Life & Permanent ainda não ter sido concluída e ainda pela reclassificação do
National Asset Management Agency Investment Limited.



A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 23.04.2012

Em Economês chama-se a isto reengenharia financeira, porque este valor foi cozinhado com o dinheiro das REFORMAS dos BANCÁRIOS.
Resta saber quais são os saques que se seguirão nos próximos anos para pagar as REFORMAS aos BANCARIOS, uma vez que o dinheiro destinado a isso já se foi para INGLÊS VER...

Anónimo 23.04.2012

Agora está na altura de pagar o devaneio....não sabem que agora começam a pingar os juros que é preciso pagar?
UI, ui
Em Portugal tivemos um que quando foi necessário tomer medidas para conter a dívida, fugiram e deixaram portugal na miséria. Em espanha fizeram o mesmo.
Quando a mama estiver cheia de leite, lá estaram eles e os amigos para comprar mais candeeiros ao siza viera.

Eu_mesmo 23.04.2012

Bem tantas flores...Serão rosas? E quem esta a pagar isto tudo... Pois o povo.. E apagar como? Com desemprego.. e cada vez mais.. Com pobreza. Famílias a beira do abismo... Bem a Grécia não serve de exemplo...Parabéns..

vic2011 23.04.2012

Alguns dados para
jpalves e acompanhantes

O défice de Portugal ficou nos 4,2% em 2011, com a dívida pública a atingir os 107,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

De acordo com a primeira notificação do gabinete de estatísticas da União Europeia (UE) sobre o défice e dívidas gerais dos Estados-membros em 2011, o défice público da zona euro situou-se em 4,1% do PIB, ao passo que no conjunto dos 27 o indicador foi ligeiramente superior (4,5%).

Ambos os valores representam baixas na comparação com 2010, onde os défices foram de 6,2 e 6,5% do PIB na zona euro e UE no geral, respetivamente.

Já no que refere à dívida pública, esta seguiu a tendência contrária: o indicador situou-se nos 87,2% do PIB na zona euro, por comparação com 85,3% no final de 2010, ao passo que na União avançou de 80% para 82,5%.

A evolução do défice orçamental português, aponta o Eurostat, foi de 3,6% do PIB em 2008, 10,2 em 2009, 9,8 em 2010 e 4,2 no ano passado.

Já a dívida pública superou em 2011 pela primeira vez os 100% do PIB:
em 2008 o indicador situou-se nos 71,6% do PIB, para nos dois anos seguintes subir respetivamente para
83,1 (2009)
e 93,3 (2010).

A dívida pública portuguesa é a quarta maior da Europa, logo atrás de Grécia (165,3%), Itália (120,1) e Irlanda (108,2).

Já os maiores défices públicos no espaço europeu, diz o organismo responsável pelas estatísticas comunitárias, foram registados na Irlanda (13,1% do PIB), Grécia (9,1) e Espanha (8,5).

Os Estados-membros notificam duas vezes por ano (março e setembro) os saldos orçamentais dos anos anteriores com as últimas correções introduzidas.
Fonte DE e DN de hoje.

Ou seja, foi completamente enganado e iludido com dados, logo fez tremenda baralhação de números.
Mas compreende-se o seu engano.
o video youtube explica-lhe tudo e tira-lhe as dúvidas todas.
http://www.youtube.com/watch?v=gNu5BBAdQec


ver mais comentários
pub