Mundo Português entre os conselheiros de Guterres na ONU

Português entre os conselheiros de Guterres na ONU

A equipa, que vai ajudar Guterres a preparar-se para assumir funções a partir de 1 de Janeiro de 2017, integra outras quatro pessoas, uma porta-voz e três conselheiros (dois homens e uma mulher).
Português entre os conselheiros de Guterres na ONU
Reuters
Lusa 17 de Outubro de 2016 às 11:51
A pouco mais de dois meses de assumir funções, António Guterres, designado secretário-geral das Nações Unidas, já tem uma equipa de transição, com cinco pessoas, entre as quais o diplomata português João Madureira.

Numa "nota aos correspondentes" datada de sexta-feira, o Gabinete do Porta-voz das Nações Unidas divulgou um comunicado da autoria da "equipa de transição do secretário-geral designado", que será liderada pela sul-coreana Kyung-wha Kang.

Vice de Guterres no Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Kyung-wha Kang é actualmente vice-coordenadora para a ajuda de emergência e assistente do ainda secretário-geral, Ban Ki-moon, para assuntos humanitários.

A equipa, que vai ajudar Guterres a preparar-se para assumir funções a partir de 1 de Janeiro de 2017, integra outras quatro pessoas, uma porta-voz e três conselheiros (dois homens e uma mulher).

Entre os conselheiros está o português João Madureira, diplomata de carreira que integra actualmente a missão permanente de Portugal junto das Nações Unidas.

A porta-voz de Guterres, pelo menos até final do ano, será Melissa Fleming, dos Estados Unidos, que também vem do ACNUR, onde era chefe do departamento de comunicação e porta-voz.

Os restantes dois conselheiros são Michelle Gyles-McDonnough (Jamaica), advogada e vice-directora para a região Ásia-Pacífico, e Radhouane Nouicer (Tunísia), com extensa experiência como director do ACNUR para a região do Médio Oriente e Norte de África e actualmente conselheiro para a crise humanitária no Iémen.

"A equipa de transição vai dialogar com representantes das Nações Unidas, dos Estados-membros e da sociedade civil para garantir uma informada e suave transição", esclarece a equipa.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

comentários mais recentes
Abílio Félix Há 3 semanas

È bonito, mas é pena ser uma ocupação de faz de conta.

Jorge Monteiro Há 3 semanas

Sócrates. és tu? :D

Anónimo Há 3 semanas


PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

Mr.Tuga Há 3 semanas

CUrgulho!

Estou CUmovido!

Depois do Durão GOLD Sachs e do Guiitierrez da subvenção vitalícia milionária, mais tuga nas bocas do mundo!

CUrgulhoso!

pub
pub
pub
pub