Emprego PR considera "boa" a confirmação da taxa de desemprego, mas diz que é preciso "mais"

PR considera "boa" a confirmação da taxa de desemprego, mas diz que é preciso "mais"

"É preciso é mais e melhor. É preciso ir mais longe em termos emprego e é preciso ir mais longe em termos de crescimento", classificou Marcelo Rebelo de Sousa.
PR considera "boa" a confirmação da taxa de desemprego, mas diz que é preciso "mais"
Ricardo Castelo
Lusa 08 de fevereiro de 2017 às 14:48
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, destacou esta quarta-feira, 8 de Fevereiro, a "confirmação boa" da taxa de desemprego em relação ao quarto trimestre, mas avisou que é "preciso ir mais longe" em termos de emprego e de crescimento.

À entrada para um almoço com refugiados na Cozinha Popular da Mouraria, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre os dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) que dão conta que a taxa de desemprego em 2016 desceu 1,3 pontos percentuais face a 2015, para os 11,1%, abaixo da estimativa do Governo, mantendo-se inalterada no quarto trimestre, nos 10,5%.

Apesar ser "uma confirmação boa a taxa de desemprego em relação ao quarto trimestre, em relação ao ano passado", o Presidente da República deixou um aviso: "é preciso é mais e melhor. É preciso ir mais longe em termos emprego e é preciso ir mais longe em termos de crescimento".

"Eu não sou daqueles que estão satisfeitos com aquilo que está feito só por si. Reconheço o mérito, mas é preciso fazer mais", alertou, na mesma tónica do discurso que tem feito nos últimos dias já que, apesar de considerar que a trajectória seguida pelo Governo é a correta, defende que é preciso agora fazer mais.

Questionado se estes números acompanham aquele que tem sido o seu "optimismo moderado", Marcelo Rebelo de Sousa disse apenas que "são números que confirmam os números anteriores".

"Eu agora já não qualifico se é optimismo, se é moderado, se não", disse.

Segundo o Presidente da República, os números hoje conhecidos "confirmam a tendência do trimestre anterior".

"O quarto trimestre é igual ao terceiro trimestre e dá uma diminuição em relação ao ano anterior e a média do ano é inferior à média anterior", enumerou.

De acordo com o INE, o comportamento da taxa de desemprego para o conjunto de 2016 ficou assim em linha com o esperado pelos analistas contactados pela Lusa, que apontavam para que se situasse entre os 11% e os 11,1%.

Em 2015, a taxa de desemprego ficou nos 12,4%.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
E vamos fazer mais 08.02.2017

Mas primeiro temos que nos livrar de vez dos fascistas que andam a querer boicotar Portugal.

pub
pub
pub
pub