Economia PR promulgou regimes de ‘crowdfunding' e de avaliação de impacto de género

PR promulgou regimes de ‘crowdfunding' e de avaliação de impacto de género

O Presidente da República promulgou hoje o diploma da Assembleia da República (AR) que vem assegurar uma avaliação do impacto na igualdade de género das normas aprovadas pela administração pública e os órgãos de soberania.
PR promulgou regimes de ‘crowdfunding' e de avaliação de impacto de género
Lusa 27 de janeiro de 2018 às 22:06

Foi igualmente promulgado o diploma que estabelece o regime sancionatório aplicável ao desenvolvimento da actividade de financiamento colaborativo, conhecido como ‘crowdfunding'.

Os dois diplomas foram aprovados na Assembleia da República a 21 de Dezembro.

O regime jurídico da avaliação de impacto de género de actos normativos tem por base um projecto de lei do PS, e visa "consagrar, de forma transversal a toda a Administração Pública e aos órgãos de soberania com competência legislativa, a necessidade de realização prévia de uma avaliação de impacto dos actos normativos que venham a aprovar".

A obrigatoriedade de acautelar a perspectiva da igualdade de género passou a ser alargada, assim, a todos os decisores públicos.

De acordo com a lei, têm de ser consideradas "metas de igualdade e equilíbrio entre os sexos, definidas em compromissos assumidos internacionalmente pelo Estado português ou no quadro da União Europeia".

"A avaliação de impacto deve igualmente assegurar a utilização de linguagem não discriminatória na redação das normas através da neutralização ou minimização da especificação do género, através do emprego de formas inclusivas ou neutras, designadamente através do recurso a genéricos verdadeiros ou à utilização de pronomes invariáveis", segundo o diploma.

O novo regime sancionatório aplicável ao desenvolvimento da actividade de financiamento colaborativo, conhecido como ‘crowdfunding', tem por base uma proposta do Governo, estabelece que, no caso de financiamento colaborativo de capital ou por empréstimo, compete à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários a regulação, supervisão e fiscalização, assim como a verificação de infracções e aplicação de coimas.

No caso de financiamento colaborativo, através de donativo ou recompensa, cabe à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica fiscalizar a actividade.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub