Mundo PR: Relações com Angola estão num bom plano "politicamente, diplomaticamente"

PR: Relações com Angola estão num bom plano "politicamente, diplomaticamente"

Marcelo Rebelo de Sousa foi confrontado com a possibilidade de Angola encerrar nove embaixadas e 18 consulados-gerais, nomeadamente em Lisboa e Faro.
PR: Relações com Angola estão num bom plano "politicamente, diplomaticamente"
Lusa 20 de janeiro de 2018 às 20:36

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sublinhou este sábado as afirmações do ministro dos Negócios Estrangeiros português sobre as relações de Portugal com Angola, defendendo que "politicamente, diplomaticamente", estão num bom plano.

"Não queria agora comentar nada. O senhor ministro dos Negócios Estrangeiros já disse que as relações diplomáticas estão a correr em muito bom plano, ele até utilizou a palavra excelentes", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa quando confrontado com a possibilidade de Angola encerrar nove embaixadas e 18 consulados-gerais, nomeadamente em Lisboa, Faro e Macau, além de 10 representações comerciais, incluindo em Portugal.

Remetendo para essas declarações do chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva, o Presidente da República vincou: "Politicamente, diplomaticamente, é verdade".


Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas após discursar no encerramento do Congresso "Portugal no Futuro", promovido pela Plataforma para o Crescimento Sustentável, do ex-ministro e dirigente do PSD Jorge Moreira da Silva.


O ministro dos Negócios Estrangeiros disse este sábado, em Paris, que as relações diplomáticas entre Portugal e Angola "são, neste momento, excelentes" e escusou-se a comentar a intenção de Luanda de fechar consulados em Lisboa e Faro.


"Não tenho nada a dizer. Essas comunicações são por via formal", disse o ministro. "As relações diplomáticas entre os dois países são, neste momento, excelentes. Aliás, acabo mesmo agora de receber a confirmação da hora e do local do próximo encontro bilateral de alto nível entre Portugal e Angola em Davos, na Suíça, entre o Presidente da República de Angola e o primeiro-ministro da República portuguesa", afirmou Augusto Santos Silva.


Na segunda-feira, tem início do julgamento da "Operação Fizz", em que o ex-vice-Presidente angolano, Manuel Vicente, é acusado de corrupção activa em co-autoria com o advogado Paulo Blanco e Armindo Pires, branqueamento de capitais, em co-autoria com Paulo Blanco, Armindo Pires e Orlando Figueira e falsificação de documento, com os mesmos arguidos.


A Procuradoria-Geral da República recusou transferir o processo para Angola, ao abrigo de convenções judiciárias com a CPLP, o que levou o Presidente angolano, João Lourenço, a classificar como "uma ofensa" a atitude da Justiça portuguesa, advertindo que as relações entre os dois países vão "depender muito" da resolução do caso.


O ministro dos Negócios Estrangeiros, acompanhado pelo secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, está em Paris numa missão de diplomacia económica que descreveu como "muito importante porque a internacionalização da economia portuguesa é um dos motores do crescimento da economia e do emprego".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 21.01.2018

Pela primeira vez a opinião dos eleitores não coincide com a do PR.É preferível enfrentar a realidade do que esconde-la.A credibilidade sai beliscada.

Anónimo 21.01.2018

O confronto é real e foi anunciado pelo PR Angolano a nivel dos midia nacionais e internacionais.O fato de um elemento da esquerda extrema do PS integrar comitica para alargamento das relações internacionais não deve ajudar nada.Ninguém neste mundo anda a dormir n vivemos numa concha.

Anónimo 21.01.2018

Nunca as relações estiveram tao tensas e já com repercussões nacionais e opção de outros players para integrar economia Angolana.Nâo se percebe que alguém que foi alegadamente responsável pela invenção ?,colaboração? no imposto adicional esteja a intervir na melhoria das relações internacionais.

Ciifrão 21.01.2018

Os países africanos pararam no tempo, as ambições dos seu líderes são do mais primário, acumular riqueza e enganar o povo.

pub