Economia Prédios rústicos: legalizar pode custar mais do que o valor do terreno
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Prédios rústicos: legalizar pode custar mais do que o valor do terreno

Uma autêntica “via sacra”. Um processo longo e demorado”. Pode custar mais do que o valor real dos terrenos. O Negócios foi falar com especialistas sobre o problema dos terrenos sem dono e o que é preciso fazer para os legalizar. Quem o queira fazer prepare-se, porque pode não ser fácil.
Prédios rústicos: legalizar pode custar mais do que o valor do terreno
Ricardo Almeida/Correio da Manhã
Filomena Lança 12 de julho de 2017 às 00:01

Imagine que herdou um terreno que pertencia aos seus pais, que o tinham herdado de um tio, que, por sua vez o tinha comprado a um vizinho, mas nunca se dera ao trabalho de fazer o registo na conservatória. Nas sucessivas passagens de propriedade,

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Esta gatunagem querem roubar terrenos ao povo para fazerem montes/coutadas para eles e amigos, como fizeram no Alentejo. Este Capoulas fica registado pelas piores

Anónimo Há 1 semana

A "barata tonta" do Capoulas está à espera dos comentários do M. Sousa Tavares para decidir.

Johhny Há 2 semanas

Então não ia haver um período de 2 anos grátis ?
ESTA TUDO À ESPERA DESSA MRDA !

Camponio da beira Há 2 semanas

Eu tinha varios nessa situação e no falecimento de um familiar aproveitei e meti na relação de bens.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub