Angola Presidente angolano exonera e nomeia nova administração para a Imprensa Nacional

Presidente angolano exonera e nomeia nova administração para a Imprensa Nacional

O Presidente angolano, João Lourenço, exonerou o conselho de administração da Imprensa Nacional, empresa pública responsável pelas publicações e documentos oficiais do Estado, tendo nomeado novos administradores, segundo decreto presidencial a que a Lusa teve acesso.
Presidente angolano exonera e nomeia nova administração para a Imprensa Nacional
Lusa 21 de novembro de 2017 às 19:40

O conselho de administração daquela empresa estatal, com sede na Cidade Alta, em Luanda, e que tem como objecto principal a emissão do Diário da República e a prestação de serviços gráficos ao Estado, era presidido desde Dezembro de 2015 por David de Assunção Barros, por nomeação do então Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

 

Além do presidente do conselho de administração, sai da empresa, de acordo com o decreto presidencial de 17 de Novembro, assinado por João Lourenço, o administrador executivo Fernando Norberto de Sousa Mangueira, que nomeou para aqueles cargos, respectivamente, Lando Sebastião Teta e Leonel Pires Magalhães, este para administrador executivo especificamente da área técnica e tecnológica.

 

Rosa Fernando Cruzeiro Jorge mantém-se como administradora executiva, agora com o pelouro específico da área administrativa e recursos humanos, enquanto Manuel João da Fonseca e Rodeth Teresa Makina Gil permanecem como administradores não executivos da Imprensa Nacional.

 

Desde que tomou posse, a 26 de Setembro, na sequência das eleições gerais angolanas de 23 de Agosto, João Lourenço procedeu a exonerações de várias administrações de empresas estatais, dos sectores de diamantes, minerais, petróleos, comunicação social, banca comercial pública e Banco Nacional de Angola, anteriormente nomeadas por José Eduardo dos Santos.

 

A exoneração de Isabel dos Santos, filha do ex-chefe de Estado, do cargo de presidente do conselho de administração da petrolífera estatal Sonangol, aconteceu na quarta-feira passada e foi a decisão mais mediática, seguindo-se a polícia, serviços prisionais, serviço de estrangeiros, bombeiros e chefias militares.

 

José Eduardo dos Santos anunciou em 2016 que pretendia abandonar a vida política em 2018, mas nesse mesmo ano recandidatou-se à liderança do MPLA, renovando o mandato de cinco anos.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

O Presidente angolano tem que contar com Portugal se quiser sobreviver. Que pense nisso.

pub