Ambiente Presidente da República considera "inevitável" debate sobre fogos no país

Presidente da República considera "inevitável" debate sobre fogos no país

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou hoje "importante" e "inevitável" desenvolver um debate nacional sobre a problemática dos incêndios, aguardando pelo final da época de fogos para que ocorra uma avaliação da situação.
Presidente da República considera "inevitável" debate sobre fogos no país
Miguel Baltazar
Lusa 30 de julho de 2017 às 22:02
"Vamos ver, ainda falta o mês de Agosto e, portanto, vamos esperar para depois, com distância, podermos avaliar a situação. E há uma lição que é evidente, é que ninguém esquecerá o que se passou e haverá uma reflexão nacional sobre isso", disse.

Para o chefe de Estado, que falava aos jornalistas em Marvão, no distrito de Portalegre, à margem do encerramento do quarto Festival Internacional de Música de Marvão, "é mais do que importante, é inevitável", desenvolver um debate sobre a problemática dos incêndios no país.

Sobre a suposta falta de comando e descoordenação por parte das autoridades no combate às chamas, o Presidente da República voltou a sublinhar que é importante "esperar pelo fim" da época de incêndios, para depois ser feita uma avaliação.

Questionado sobre o "longo período de recuperação" que as populações afectadas pelos incêndios têm pela frente, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a replicar que é preciso "esperar" para ver a avaliação que está a ser desenvolvida.

"Vamos esperar para ver a avaliação, ainda estamos num período de fogos e depois, com distância, daqui por um mês, mês e meio, aguardando as conclusões daquilo que vai ser ou já está a ser investigado se falará", disse.

O Presidente da República visitou hoje à tarde o concelho de Nisa, no distrito de Portalegre, fustigado por três incêndios florestais na última semana, onde elogiou o papel dos bombeiros, forças armadas e de voluntários.

Em Marvão, Marcelo Rebelo de Sousa reportou que encontrou o concelho de Nisa de uma forma "finalmente serena", após quatro dias" muito trabalhosos, muito difíceis e muito sofridos".

"Vi uma população a reagir com muita firmeza, muita determinação", sublinhou.

Marcelo Rebelo de Sousa começou por visitar em Nisa a cantina do centro escolar da vila de Nisa, onde foram servidas as refeições aos bombeiros e militares empenhados no combate às chamas, tendo elogiado o "papel cívico" dos voluntários, além de se mostrar "impressionado" com a organização, "num espaço de tempo muito concentrado" de quatro dias.

Acompanhado pela presidente da Câmara de Nisa, Idalina Trindade, o chefe de Estado assistiu depois a um 'briefing' no posto de comando, antes de visitar uma das aldeias, Amieira do Tejo, que esteve ameaçada pelas chamas.

Os três incêndios florestais que assolaram o concelho, o último deles na tarde de sábado, perto de Montalvão, estão todos em fase de vigilância, o que levou à desactivação, no sábado à noite, do Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub