Política Presidente da República deu posse a secretários de Estado das Finanças e do Tesouro

Presidente da República deu posse a secretários de Estado das Finanças e do Tesouro

O até agora responsável pela área do Tesouro, Ricardo Mourinho Félix, assume agora o cargo de secretário de Estado Adjunto e das Finanças, e Álvaro Novo, que até agora desempenhava as funções de economista-chefe no gabinete do ministro das Finanças, Mário Centeno, tomou hoje posse como secretário de Estado do Tesouro.
Presidente da República deu posse a secretários de Estado das Finanças e do Tesouro
Pedro Elias
Lusa 06 de fevereiro de 2017 às 16:04

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deu hoje posse aos secretários de Estado Adjunto e das Finanças e também do Tesouro, numa curta cerimónia no Palácio de Belém que contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

 

O até agora responsável pela área do Tesouro, Ricardo Mourinho Félix, assume agora o cargo de secretário de Estado Adjunto e das Finanças, e Álvaro Novo, que até agora desempenhava as funções de economista-chefe no gabinete do ministro das Finanças, Mário Centeno, tomou hoje posse como secretário de Estado do Tesouro.

Na cerimónia, que durou cerca de cinco minutos, ambos os governantes asseveraram lealdade no cumprimento das suas funções perante o olhar dos vários responsáveis do ministério das Finanças, Mário Centeno inclusive, e também do chefe do Governo, António Costa.

 

Como é tradição nestes eventos, nem os governantes empossados nem o Presidente da República prestaram declarações à imprensa.

 

A nova equipa do ministro Mário Centeno é agora constituída por Ricardo Mourinho Félix (secretário de Estado Adjunto e das Finanças), Fernando Rocha Andrade (secretário de Estado dos Assuntos Fiscais), João Leão (secretário de Estado do Orçamento), Carolina Ferra (secretária de Estado da Administração e do Emprego Público) e Álvaro Novo (secretário de Estado do Tesouro).

 

No sábado, o Ministério das Finanças justificou a entrada de um novo secretário de Estado para a sua equipa com a necessidade de intensificar a execução da estratégia para o sector empresarial do Estado prevista no Programa do Governo.

 

Álvaro Novo assume as competências relacionadas com o Sector Empresarial do Estado e a gestão do património público, que ficarão autonomizadas.

 

Fonte do Ministério das Finanças disse à agência Lusa que "o aumento da eficiência do sector empresarial do Estado implicará a intensificação da implementação da estratégia delineada no Programa do Governo para esse sector", designadamente na execução de "medidas que conduzam a uma utilização mais eficiente do património do Estado".

 

"No ano de 2017 é essencial completar a estabilização do sistema financeiro, intensificar o trabalho com os participantes nos mercados financeiros e agências de notação financeira, mas também com a Comissão Europeia", disse a fonte do Governo à Lusa.

 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 06.02.2017

Este merdas nao para de meter nojo.Quando eu jogava a bola era extremo direito depois passei a jogar a meio campo,ninguem me fez qualquer tipo de pagode.Foda-se,foda-se la o animal.

Anónimo 06.02.2017

O setor económico e financeiro dos governos portugueses continua a não funcionar bem.

pub