Política Presidente da República diz que Governo tem agora de estar à altura da confiança parlamentar

Presidente da República diz que Governo tem agora de estar à altura da confiança parlamentar

O Presidente da República considerou esta terça-feira que, ao rejeitar a moção de censura do CDS, o Parlamento "reafirmou a confiança no Governo", que agora "tem de estar à altura" desta confiança nas medidas a implementar sobre florestas e incêndios.
Presidente da República diz que Governo tem agora de estar à altura da confiança parlamentar
Paulo Duarte/Negócios
Lusa 24 de outubro de 2017 às 21:53
"A democracia funcionou, o Parlamento decidiu rejeitar a moção de censura que um partido tinha apresentado no uso de um direito constitucional e, portanto, isso significa que o Parlamento reafirmou a sua confiança no Governo e em particular a confiança no Governo em relação a esta matéria da prioridade da floresta, da prevenção e do combate aos incêndios", respondeu aos jornalistas Marcelo Rebelo de Sousa, à margem da entrega do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva, em Lisboa.

Na opinião do Presidente da República, "o Governo agora tem de estar à altura desta confiança parlamentar naquilo que definir e naquilo que executar nos próximos tempos".

Questionado sobre se, com a rejeição da moção de censura do CDS-PP, se entra agora numa nova etapa na governação, Marcelo Rebelo de Sousa foi peremptório ao concordar.

"Tornou-se mais claro que a floresta é e deve ser uma prioridade política nacional, que a atenção ao Portugal interior deve ser uma prioridade presente na vida política portuguesa e que há politicas a definir e a executar que não são só importantes para corresponder à confiança do parlamento, mas são importantes para corresponder às expectativas - que são muito elevadas e legitimas - dos portugueses", concretizou.

Sobre o grau de crispação durante o debate que decorreu esta terça-feira, 24 de Outubro, no Parlamento, o Presidente da República insistiu na necessidade que "haja uma convergência nacional, a começar desde logo no plano de emergência e de reconstrução das áreas destruídas e continuando depois na política para a floresta e na prevenção e no combate aos fogos".

"É uma convergência que é imposta por um interesse que é de todos", reiterou.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, "pode e deve haver divergências", mas avisou: "há pontos de convergência essenciais sem os quais em penso que não chegamos lá".

O Presidente da República lembrou que se trata de "exigências de médio e longo prazo e os governos não duram eternidades".

"O parlamento, ao abrigo da Constituição, votou e ao reafirmar a confiança no Governo num tema muito específico, mas tão importante para os portugueses. No fundo o que o parlamento quis dizer foi: nós reafirmamos a nossa confiança, na expectativa - que é a expectativa de todos os portugueses - que o Governo esteja à altura dessa confiança".

"Isto é, naquilo que defina como política e execute, consiga ir ao encontro daquilo que é uma prioridade nacional", respondeu, quando questionado pelos jornalistas sobre se a questão está clarificada.

A moção de censura ao Governo apresentada pelo CDS-PP foi hoje rejeitada na Assembleia da República com os votos contra do PS, BE, PCP, PEV e PAN e a favor dos centristas e do PSD.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Não passas de um palhaço a dar beijocas e a ver se a TV está a filmar.

Anónimo Há 3 semanas

Mais do que tudo, Senhor Presidente, ficou demonstrado, nestes últimos dias, que há mais vida para além dos beijos e abraços. Pareceu regressar algum realismo, com um simples "morrinho" na mesa. Terá o Presidente que ser mais interventivo e, por que não, árbitro, evitando mais donos disto tudo ou, a procederem como tal. No Parlamento, independente das fabricadas maiorias, com minorias, ficaria bem um pouco mais de respeito. O que se tem visto ,em algumas intervenções, é o roçar da má criação, lamentável, quando praticada por quem teria o dever de dar o exemplo de saudável conduta. A Pátria continua a ser habitada, por muitos responsáveis portugueses que atentos, registam, ter a mesma sido "encharcada", pelas freguesias partidárias. Espera-se que o Presidente, para além dos afectos, gaste mais tempo, nesta área!!!

Amado.em.Catrástrofe.na.Linha.de.Cascais Há 3 semanas

O show deve continuar ! A partir do momento em que abandonámos o interior esta limpeza evidenciou-se oportuna. Agora à que fazer de novo e regressar .A nossa governace esteve bem e não houve erros dignos de registo. O possível "mea culpa" a surgir deverá ser de toda a "sociedade" . Extra !

Selfie Sonso Há 3 semanas

Beijinhos e abracinhos

pub