Emprego Presidente do CES defende que país está mais descomprimido e elogia acção de Marcelo

Presidente do CES defende que país está mais descomprimido e elogia acção de Marcelo

Além de se referir ao contributo de Marcelo Rebelo de Sousa como "promotor da concertação", Correia de Campos disse que também o "Governo que descomprimiu e trouxe algumas alternativas de governação."
Presidente do CES defende que país está mais descomprimido e elogia acção de Marcelo
Miguel Baltazar / Negócios
Lusa 08 de novembro de 2016 às 17:03
O presidente do Conselho Económico Social (CES), Correia de Campos, afirmou esta segunda-feira, 8 de Novembro, esperar bons resultados em termos de concertação social, considerando que o país está mais descomprimido e que o chefe de Estado é promotor de concertação.

Correia de Campos falava aos jornalistas após ter sido recebido pelo líder parlamentar do PS, Carlos César, depois de questionado sobre as suas prioridades no exercício do cargo de presidente do CES, para o qual foi eleito em Outubro passado, em plenário da Assembleia, por dois terços dos deputados, após duas tentativas.

O antigo ministro socialista disse que a sua prioridade imediata é a reunião plenária do CES no próximo dia 14, que decorrerá na Sala do Senado da Assembleia da República, durante a qual será votado o parecer sobre a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2017.

Esse parecer do plenário do CES, de acordo com o antigo ministro dos executivos liderados por António Guterres e José Sócrates, será apresentado publicamente três dias depois, a 17.

Em matéria de diálogo social, Correia de Campos começou por frisar que a existência ou não se consensos não depende do presidente do CES, já que este conselho é tripartido (representantes dos trabalhadores, entidades patronais e Governo).

No entanto, de acordo com o presidente do CES, o país "está mais descomprimido, após quatro anos de grande dificuldade".

"Temos agora um Governo que descomprimiu e trouxe algumas alternativas de governação e, sobretudo, temos um Presidente da República que trouxe uma descompressão grande no panorama político e que é ele próprio um grande promotor na concertação", defendeu.

Questionado sobre as consequências de ter sido eleito presidente do CES apenas à segunda tentativa, após uma primeira votação em que falhou a obtenção de dois terços dos votos entre os 230 deputados, Correia de Campos considerou que esse processo para a sua designação "foi absolutamente normal e decorreu totalmente na Assembleia da República".

"Sou um crente na democracia. Sou o presidente do CES eleito pela Assembleia da República por votação maioritária", acrescentou, já depois de ter dito que solicitou ao PS o abandono do seu lugar na Comissão Nacional desse partido.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub