Américas Presidente do México "condena" ordem de Trump para erguer muro e reitera que não o paga

Presidente do México "condena" ordem de Trump para erguer muro e reitera que não o paga

"Lamento e reprovo a decisão dos Estados Unidos de continuar a construção de um muro que há anos nos divide em vez de nos unir," disse Enrique Peña Nieto.
Presidente do México "condena" ordem de Trump para erguer muro e reitera que não o paga
Lusa 26 de janeiro de 2017 às 07:26
O Presidente do México, Enrique Peña Nieto (na foto), lamentou e reprovou a decisão do recém-empossado Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de ordenar a construção de um muro na fronteira comum, reiterando que não o vai pagar.

"Lamento e reprovo a decisão dos Estados Unidos de continuar a construção de um muro que há anos nos divide em vez de nos unir. O México não acredita em muros", afirmou Enrique Peña Nieto, numa mensagem transmitida na quarta-feira pela televisão, em que reiterou que o México não vai arcar com as despesas do muro.

Donald Trump assinou na quarta-feira a ordem para a construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México, garantindo que vai iniciar-se em "em meses", que o planeamento do projecto será feito "de imediato" e insistindo ainda que "em última instância" o custo será "reembolsado pelo México".

"O México oferece e exige respeito como a nação totalmente soberana que é", disse Enrique Peña Nieto, indicando ainda que ordenou ao Ministério dos Negócios Estrangeiros que reforce as medidas de protecção aos mexicanos que se encontram nos Estados Unidos.

Neste sentido, segundo Enrique Peña Nieto, "os 50 consulados nos Estados Unidos vão transformar-se em autênticos defensores dos direitos dos migrantes".

"As nossas comunidades não estão sozinhas. O governo do México vai oferecer aconselhamento legal que irá garantir a protecção de que precisam", realçou.

O Presidente mexicano não indicou, porém, se pretende cancelar o encontro com o seu homólogo norte-americano, previsto para 31 de Janeiro, afirmando que irá esperar pelo regresso de Washington de uma delegação de alto nível antes de tomar uma decisão sobre os próximos passos a tomar.

A proposta de Donald Trump de erguer um muro ao longo da fronteira com o México, que tem uma extensão total de cerca de 3.000 quilómetros, para travar a entrada de imigrantes ilegais no território norte-americano, foi uma das mais polémicas que fez durante a sua campanha para as eleições presidenciais de Novembro.

O Presidente dos Estados Unidos confirmou na quarta-feira, em entrevista ao canal ABC, que o governo federal irá adiantar o dinheiro necessário para iniciar a construção do muro, valor que vai ser posteriormente reembolsado pelos "vizinhos" mexicanos.

Segundo cálculos realizados pela comunicação social norte-americana durante a época eleitoral, a ideia de Donald Trump poderá custar cerca de 10 milhões de dólares (9,4 milhões de euros).

A ordem executiva relativa ao muro fronteiriço visa atribuir fundos federais para a planificação e a construção do projecto.

O Congresso, actualmente controlado pelo Partido Republicano, terá de aprovar o orçamento necessário para a construção do muro.

A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado bmrm2004 26.01.2017

Só por este disparate merecia um processo de impeachment.

comentários mais recentes
Anónimo 29.01.2017

E' tudo alimento para consumo interno; < a vedacao vai ser erguida!!>

Anónimo 26.01.2017

Claro; o Nieto quer a porta aberta para empurrar os excluidos para os USA;Ate' portugueses a's cetenas teem atravessado o rio grande a nado do Mexico para os EUA; por isso sao chamados os Wett Backs.

Joao santos 26.01.2017

Nos EUA não há uma tradição de se promover o impeachment dos presidentes, no caso do Trump ainda pior porque a câmara e o congresso tem maioria republicana e não vai ser por aí.
Tradição nos EUA é liquidar o presidente e este está sujeito a isso, depende da shit que fizer.

Anónimo 26.01.2017

Se fosse outro país qualquer a levantar um muro desta envergadura (ou mesmo mais pequeno que fosse) até mesmo os seus aliados israelitas, andava o mundo inteiro, a ONU e sei lá mais quantas organizações mundiais a protestar por todo o lado. Com esta trampa ninguém diz nada!... mas que mundo solidário... CAMBADA DE COBARDOLAS! Isto vai acabar muito mal, mas mesmo muito mal. A diferença entre esta besta e o Hitler é que o segundo ainda não tinha armamento nuclear e só por isso perdeu a guerra, com esta besta...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub