Américas Presidente da Venezuela diz que não haverá referendo para o tirar do poder

Presidente da Venezuela diz que não haverá referendo para o tirar do poder

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse na terça-feira que não haverá referendo para revogar o seu mandato e que a prioridade nacional é recuperar a economia, não realizar eleições.
Presidente da Venezuela diz que não haverá referendo para o tirar do poder
Reuters
Lusa 05 de Outubro de 2016 às 07:47

"A prioridade, na Venezuela, não é fazer eleições, a prioridade é a economia, recuperar a produção (...) há que ser claro", disse, no programa de rádio e televisão "Em Contato com Maduro", transmitido desde o Quartel da Montanha, onde repousam os restos de Hugo Chávez, que presidiu o país entre 1991 e 2013.

 

"Maduro está aqui e vai continuar aqui (...) porque aqui não haverá [referendo] revogatório", frisou.

 

Segundo o chefe de Estado, "a oposição venezuelana não pode considerar que será Governo porque não tem ideias, não têm projecto".

 

No seu entender, a vitória da oposição nas últimas eleições parlamentares foi apenas um "tropeção".

 

"Na Venezuela, a revolução teve um tropeção a 6 de Dezembro, mas a revolução é irreversível, graças à vanguarda social, extensa, colectiva, de grande qualidade humana", disse.

 

A oposição venezuelana quer realizar um referendo para revogar o mandato presidencial em 2016 e tem acusado o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) de atrasar propositadamente a calendarização das diferentes etapas do processo, para demorar a saída de Nicolás Maduro do poder.

 

Se o referendo se realizar até 10 de Janeiro de 2017 deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana.

 

Se a consulta ocorrer depois daquela data, o vice-Presidente da Venezuela em funções, actualmente Aristóbulo Isturiz, assumirá os destinos do país até 2019, quando termina o actual mandato presidencial.

 

A 28 de Setembro o CNE afastou a possibilidade de o referendo se realizar antes de meados do primeiro trimestre de 2017.




A sua opinião39
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AVerVamos Há 4 semanas

Como os verdadeiros komunas "libertadores" ficam eternamente a "libertar" os oprimidos...Liberta-os do dinheiro, da liberdade, da democracia, por ai. Não existe um único exemplo na história da humanidade, que os supostos libertadores não se tornem carcereiros e postirormente seus carrascos.

comentários mais recentes
pertinaz Há 3 semanas

MAIS UM BANDIDO À SOLTA

CONVIDA O VIGARISTA DO COSTA PARA EMIGRAR PARA A VENEZUELA

ESTAMOS FARTOS DELE E VOCÊS IRIAM DAR-SE MUITO BEM

Tereza Pato da Costa Há 3 semanas

temos cá , não , muito obrigado

Ricardo Pires Há 3 semanas

Nao era este o regime apoiado pelo BE ?

Tásse bem Há 3 semanas

Vai lá sair do trono, o que esperar de um labrego que anda de pijama?

ver mais comentários
pub