Mundo Primeira mulher a ser escolhida por Trump é filha de indianos

Primeira mulher a ser escolhida por Trump é filha de indianos

A governadora republicana da Carolina do Sul é a primeira mulher a ser escolhida por Donald Trump para um cargo de nível equiparado ao da administração.
Primeira mulher a ser escolhida por Trump é filha de indianos
Reuters
David Santiago 23 de Novembro de 2016 às 13:30

O anúncio oficial só deverá ser feito já durante a tarde desta quarta-feira, 23 de Novembro, mas fontes próximas de Donald Trump garantem que Nikki Haley (na foto) é a escolha do presidente eleito dos Estados Unidos para a função de embaixadora junto das Nações Unidas.

 

O jornal online Politico refere-se à governadora da Carolina do Sul desde 2011 como uma "estrela em ascensão" no seio do Partido Republicano. Esta filha de imigrantes indianos, de 44 anos de idade, torna-se assim na primeira mulher a ser escolhida por Trump para um cargo cuja importância é equiparável ao da futura administração norte-americana. Até ao momento todas as principais escolhas de Trump para a sua administração incluíam apenas homens, brancos e muito conservadores, incluindo nacionalistas e um membro do movimento de supremacistas brancos.

 

Em 2011 Haley já fizera história ao tornar-se na primeira mulher a assumir a função de governadora do Estado da Carolina do Sul. A governadora foi uma das figuras republicanas que mais ferozmente se opôs a Trump, tendo primeiro apoiado o senador Marco Rubio para depois da desistência deste atribuir o seu apoio ao senador Ted Cruz.

 

Houve várias trocas de argumentos entre Haley e Trump. A CNN recorda, por exemplo, as declarações em que Trump considerou que a posição da governadora sobre questões relacionadas com imigração eram excessivamente "fracas". Isto depois de Haley ter aprovado a residência de imigrantes na Carolina do Sul independentemente da sua raça ou religião.

 

Mais tarde a governadora referiu-se ao então já candidato republicano à Casa Branca como sendo "tudo aquilo que um governador não quer ver num presidente".

 

Depois de ter sido o jornal Charleston Post and Courier a avançar inicialmente a informação durante a madrugada, entretanto também a CNN e o Politico confirmaram a escolha citando fontes conhecedoras desta decisão. Ao início da tarde em Lisboa um comunicado emitido pela equipa de transição do magnata do imobiliário confirmou que é Nikki Haley a escolha de Trump para representar o país junto da ONU. A NBC News avançou ainda que Haley aceitou o convite endereçado pelo presidente eleito.

Nov 23 (Reuters) - South Carolina Governor Nikki Haley has accepted President-elect Donald Trump's offer to be the U.S. ambassador to the United Nations, NBC News reported on Wednesday, citing a source familiar with the transition process.
 

Para desempenhar o cargo até aqui ocupado por Samantha Power, Haley terá de fazer uso de capacidades de negociação e de conhecimentos diplomáticos.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Esta e outros só vêm demonstrar q a mudança é treta. Qdo lhes cheira a dignidade e os ideais ficam para trás. Agora já são todos amigos. Ainda falam q Trump é contra o sistema. Bem se vê isso, só vejo medidas tipicas de sistema, nomeações de amigos, pessoas q diziam mal dele mas afinal ja o aceita

pub
pub
pub
pub