Mundo Primeiro-ministro do Japão visita Pearl Harbor acompanhado de Barack Obama

Primeiro-ministro do Japão visita Pearl Harbor acompanhado de Barack Obama

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, visitou vários cemitérios e locais de homenagem na segunda-feira, antes de visitar o local do bombardeamento em Pearl Harbour, que determinou a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial.
Primeiro-ministro do Japão visita Pearl Harbor acompanhado de Barack Obama
Reuters
Lusa 27 de dezembro de 2016 às 11:13

O chefe do Governo nipónico aterrou na base de Pearl Harbor-Hickam e seguiu para o Cemitério Nacional do Pacífico, onde depositou uma coroa de flores, tendo permanecido durante uns momentos em silêncio no cemitério perto do centro de Honolulu, conhecido como Punchbowl.

 

Depois, Abe seguiu para o local de homenagem à morte de nove meninos e homens que faleceram quando um submarino norte-americano colidiu com uma embarcação de pesca japonesa em 2001.

 

Hoje, o primeiro-ministro japonês será o primeiro chefe de Governo nipónico a visitar o memorial aos marinheiros e 'marines' norte-americanos que foram mortos no ataque a Pearl Harbor, a 7 de Dezembro de 1941.

 

O antigo primeiro-ministro do Japão Shigeru Yoshida já foi a Pearl Harbor seis anos depois da rendição do Japão na Segunda Guerra Mundial, mas isso aconteceu antes do 'USS Arizona Memorial' ter sido construído.

 

O memorial vai ser fechado ao público hoje, para a visita de Abe a este local histórico, na qual será acompanhado pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que está de férias no Hawai com a sua família.

 

A importância da visita será principalmente simbólica para os dois países, já que evoluíram para o estatuto de aliados próximos nas décadas que se seguiram ao brutal confronto na Segunda Guerra Mundial, mas ao mesmo tempo é significativo que tenha demorado mais de 70 anos para as relações entre os japoneses e os norte-americanos chegarem a este ponto, nota a AP.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub