Europa Principal partido da oposição apresenta pedido de anulação do referendo turco

Principal partido da oposição apresenta pedido de anulação do referendo turco

O principal partido da oposição na Turquia, o CHP, anunciou que vai apresentar hoje ao Alto Conselho Eleitoral (YSK) um pedido de anulação do referendo de domingo sobre o reforço dos poderes do presidente Recep Tayyip Erdogan.
Principal partido da oposição apresenta pedido de anulação do referendo turco
Reuters
Lusa 18 de abril de 2017 às 11:55

O pedido será apresentado pelas 14:30 (12:30 em Lisboa), adiantou o partido social-democrata em comunicado.

 

Um responsável do partido deveria reunir-se com o presidente do YSK duas horas mais cedo.

 

Desde o anúncio dos resultados do referendo, os dois principais partidos da oposição, o CHP e o HDP (pro-curdo), têm denunciado "manipulações" no escrutínio.

 

Em causa, a decisão do YSK de considerar como válidos os boletins não marcados com o selo oficial das autoridades eleitorais.

 

A oposição vê nessa decisão uma manobra que permite a fraude.

 

Pouco após o anúncio do CHP, o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, declarou hoje que "toda a gente, a começar pelo principal partido da oposição, deve respeitar (...) a palavra da nação".

 

"Os que se esforçam por lançar uma sombra sobre o resultado do referendo propagando alegações (de irregularidades) agem em vão. A vontade da nação foi expressa livremente nas urnas, este caso está terminado", disse.

 

Uma missão de observadores da OSCE e do Conselho da Europa considerou na segunda-feira que a campanha não se desenvolveu em condições equitativas e que o escrutínio não esteve "à altura dos critérios" europeus.

 

O presidente Erdogan respondeu imediatamente apelando aos observadores europeus que "se mantenham no seu lugar".

 

Já hoje, a Alemanha instou a Turquia a esclarecer, quanto antes, as dúvidas sobre a limpeza do referendo.

 

O ministro do Interior, Thomas de Maizière, fez a exigência em declarações hoje publicadas pelo diário "Rheinische Post", nas quais questiona que se possa fazer uma consulta em estado de emergência.

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub