Mundo Príncipe saudita Alwaleed bin Talal libertado após acordo financeiro

Príncipe saudita Alwaleed bin Talal libertado após acordo financeiro

Quase três meses depois de ter sido "apanhado" na operação anticorrupção na Arábia Saudita, o bilionário fechou um acordo financeiro com as autoridades e foi libertado.
Príncipe saudita Alwaleed bin Talal libertado após acordo financeiro
Bloomberg
Negócios com Reuters 27 de janeiro de 2018 às 14:52

O príncipe saudita Alwaleed bin Talal foi libertado este sábado, quase três meses depois de ter sido detido no âmbito da operação anticorrupção levada a cabo por um comité liderado pelo príncipe herdeiro, Mohamed bin Salman.

A sua libertação aconteceu poucas horas após ter confessado, em entrevista à Reuters, que esperava ser inocentado e colocado em liberdade dentro de poucos dias. A entrevista foi realizada no hotel Ritz-Carlton, em Riade, onde os suspeitos têm estado detidos.

De acordo com a agência noticiosa, fonte oficial do reino revelou que Alwaleed foi libertado porque fez um acordo financeiro com as autoridades.

"O procurador-geral aprovou esta manhã o acordo que foi alcançado com o príncipe Alwaleed bin Talal, e o príncipe voltou para casa", informou a fonte, sem adiantar detalhes sobre os termos do acordo.

A libertação do bilionário saudita segue-se à de várias outras figuras centrais da mega-operação anticorrupção, na sexta-feira, sugerindo que a investigação deverá ser concluída brevemente.

Alwaleed bin Talal, suspeito dos crimes de lavagem de dinheiro, pagamento de subornos e extorsão, estava detido no luxuoso hotel da capital da Arábia Saudita desde o início de Novembro, juntamente com dezenas de príncipes, ministros (actuais e antigos) e empresários.

Segundo as autoridades, vários empresários fecharam acordos financeiros com as autoridades e já foram libertados, enquanto 95 pessoas continuam detidas e deverão ser julgadas.

A Arábia Saudita espera arrecadar 100 mil milhões de dólares com os acordos financeiros. 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Alentejano 29.01.2018

a policia visto terem sido culpados pelas derrotas contra os xiitas! o problema da Arábia saudita não são os extremistas no poder mas os ainda piores que poderiam lá chegar com os votos dos clérigos mais extremados , a politica saudita é melhor que qualquer novela mas o perigo é real!

Alentejano 29.01.2018

+ os votos dos altos funcionários (normalmente príncipes sauditas ) teoricamente todos os ramos másculos da família tem direito a de gladiar-se pelo trono mas na realidade somente 4 ramos da família o fazem recentemente a família do talal perdeu toda a significância ao perder o controlo sobre o army

Alentejano 29.01.2018

do que com a família real pois a família real tirando 2 ramos (os que expectavam ser os próximos na monarquia rotativa do reino) sempre foram pagos para tarem calados e votarem em quem lhes paga (dai serem 5000 princepes sauditas) originalmente eram 35 votos agora são 31 dos reais + os cléricos

Alentejano 29.01.2018

moço praia pelo contrario o objectivo é arranjar verbas para solidificar o poder ele vai ficar a mandar durante 40 anos mais vale fazer o mal todo seguido como diria o Nicolo e ao averbar está a diminuir a capacidade de actuação dos rivais! os sauditas terão mais problemas com o cléricos nao reais

ver mais comentários
pub