Justiça Prisão preventiva para militares da Força Aérea suspeitos de corrupção

Prisão preventiva para militares da Força Aérea suspeitos de corrupção

Os 12 militares interrogados na quarta-feira, no âmbito da Operação Zeus, ficaram em prisão preventiva. São suspeitos de corrupção.
Prisão preventiva para militares da Força Aérea suspeitos de corrupção
Mariline Alves
Negócios 06 de julho de 2017 às 00:21

Os 12 militares detidos no âmbito da Operação Zeus, entre os quais um major-general e outros seis oficiais de alta patente, foram interrogados na quarta-feira à tarde no Campus de Justiça de Lisboa. E a decisão já foi tomada: ficaram em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Tomar, avançou o Correio da Manhã.

Os militares foram todos detidos no âmbito da Operação Zeus, pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária, em articulação com a 9.ª secção do DIAP de Lisboa e com a PJ Militar, referiu a mesma fonte.

Em causa está a continuação da investigação que levou a outras seis detenções em Novembro do ano passado, precisamente pelo mesmo esquema de sobrefacturação das compras de produtos alimentares para as cerca de 15 bases aéreas do país - o que permitiu a esta rede de militares prejudicar o Estado, em proveito próprio, na ordem dos 10 milhões de euros, explicou o CM.

Um major-general, que controlava as compras para as bases militares, um coronel, um tenente-coronel e um major estão entre os detidos por corrupção, abuso de poder e falsificação de documentos na comercialização de géneros alimentícios nas messes da Força Aérea, segundo fonte da PJ à agência Lusa.

Entre os 16 detidos constam ainda três capitães e cinco sargentos, além de quatro empresários do ramo alimentar.

Os quatro empresários foram ouvidos também na quarta-feira, suspeitos igualmente deste esquema de suborno no sector da restauração e que durava há vários anos.

Fonte ligada ao processo disse à agência Lusa que os quatro empresários  ficaram sujeitos a apresentações periódicas às autoridades, medidas de coacção que foram conhecidas ao final da noite e após um longo interrogatório judicial.

(notícia actualizada às 00:44)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 06.07.2017

Falem com o vosso ex camarada, hoje comandante da TAP, e até pouco tempo comentador ativo nas televisões, como conseguiu um acordo evitando ir dentro entregando e envolvendo a administração da TAP na suspeita.
Bom nesse caso a mulher é da PGR....

E os Milhoes que roubaram? 06.07.2017

Estes ladroes que sao pegos, ja lhes confiscaram os roubos? A justica dos Saloios e cega e estes artistas ficam-se sempre rindo. Ser criminoso neste antro compensa. Pois a falta de vergonha e o prato do dia,e os porcos politicos sao os culpados pelas leis, que deviam fazer e respeitar e nao o fazem

pub