Finanças Públicas Privados mantêm escolha de duodécimos nas férias e Natal

Privados mantêm escolha de duodécimos nas férias e Natal

O regime de pagamento de metade dos subsídios de férias e Natal ao longo dos 12 meses do ano mantém-se no privado. Quem não quiser tem de rejeitar este modelo nos primeiros cinco dias do ano.
Privados mantêm escolha de duodécimos nas férias e Natal
Bruno Simão

O Orçamento do Estado mantém a possibilidade dos trabalhadores do sector privado optarem pelo regime duodecimal que vigora desde 2013, recebendo metade dos subsídios de Natal e de férias ao longo dos 12 meses de 2017. A prorrogação está prevista numa versão da proposta de Lei a que o Negócios teve acesso.

O regime de pagamento de subsídios de férias e Natal em duodécimos foi criado em 2013 como forma de aumentar o rendimento disponível das famílias ao longo do ano, embora penalizando os meses de pagamento dos subsídios.

Neste regime, metade dos subsídios de Natal e de férias devem ser pagos, respectivamente, até 15 de Dezembro e até antes do início das férias. O restante é pago ao longo do ano.

Esta é, por defeito, a forma de pagamento dos subsídios. Mas os trabalhadores podem optar por receber a totalidade dos subsídios no Natal e nas Férias, tendo para isso de o expressar às entidades patronais nos primeiros cinco dias do ano.

A proposta de Lei de Orçamento do Estado prevê ainda que metade do subsídio de Natal da função pública e pensionistas seja pago obrigatoriamente em duodécimos.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas



SÓ METADE

Os descontos efetuados pelos FP só permitem pagar metade do valor das pensões.

O resto vem dos impostos pagos por todos os portugueses (ou seja, NÃO é propriedade do pensionista)!

É ROUBADO pelo pensionista.


comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

PS ROUBA OS TRABALHADORES DO PRIVADO

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

UM EXEMPLO DE INJUSTIÇA QUE É URGENTE CORRIGIR

Um técnico superior reformado em 2005 pela Caixa Geral de Aposentações (CGA) levou uma pensão de 2.026 euros consigo. Se se tivesse aposentado na mesma altura, com o mesmo salário, pelas regras da Segurança Social, teria levado para casa 1.512 euros.

Ora bem 500€ x 10 anos x 12 meses = 60.000€ a mais, que esse gajo já embolsou desde 2005, à custa de quem trabalha.
Rica mama.
Deve ser obrigado a devolver tudo.

Enganei-me nas contas, são 14 meses por ano, ainda lhe estava a perdoar 10.000€ (sortudo).
Afinal tem que devolver 70.000€.

Receber 70.000€ a mais, em 10 anos?
Isso dá para comprar um carro de 30.000€, de 4 em 4 anos.
Este é mesmo o país das maravilhas... para alguns.

Anónimo Há 3 semanas


FP e CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Os beneficiários da CGA não descontaram nem para metade da pensão que recebem.

O buraco anual de 4 600 milhões de €, da CGA, é sustentado pelos impostos cada vez mais altos suportados pelos trabalhadores do privado.

Anónimo Há 3 semanas



SÓ METADE

Os descontos efetuados pelos FP só permitem pagar metade do valor das pensões.

O resto vem dos impostos pagos por todos os portugueses (ou seja, NÃO é propriedade do pensionista)!

É ROUBADO pelo pensionista.


pub
pub
pub
pub