Europa Procurador-geral admite prender líder do Governo catalão antes do referendo

Procurador-geral admite prender líder do Governo catalão antes do referendo

A seis dias da data prevista para o referendo sobre a independência, o conflito na Catalunha continua a escalar e os empresários espanhóis já sentem a quebra no investimento e no consumo.
Procurador-geral admite prender líder do Governo catalão antes do referendo
Reuters
António Larguesa 25 de setembro de 2017 às 14:13

Arranca em clima de tensão máxima a semana que poderá culminar no domingo, 1 de Outubro, com o referendo sobre a independência na Catalunha, de que as autoridades regionais não abdicam e que o Governo de Madrid continua a tentar bloquear por todos os meios, dos judiciais aos policiais até ao bloqueio de páginas na Internet.

 

Esta manhã, o procurador-geral do Estado, José Manuel Maza, adiantou que ao organismo que lidera ainda não pareceu "oportuno" pedir a detenção do presidente do governo catalão pelo crime de desfalque, mas reconheceu, citado pelo El Pais, que essa é uma possibilidade que continua "aberta".

 

Estas declarações do responsável da Procuradoria, cargo que ocupa desde Novembro do ano passado, surgem no dia em que o Tribunal de Contas do país vizinho impôs uma fiança de 5,25 milhões de euros, a pagar em 15 dias, ao ex-presidente da Generalitat, Artur Mas, precisamente por ter usado fundos públicos na "consulta simbólica" feita em 2014, em que participaram 2,3 milhões de catalães e 80% se pronunciaram pela independência. E já foram criadas contas solidárias para ultrapassar as "sanções impostas pelo Estado" central.

 

As autoridades da comunidade autónoma assinaram a 6 de Setembro a convocação de um referendo vinculativo sobre a independência. A lei que aprovou esta consulta popular no parlamento regional, em que os partidos separatistas têm maioria, foi logo no dia seguinte suspensa como medida cautelar pelo Tribunal Constitucional espanhol. Entretanto, 14 dirigentes da Generalit foram mesmo detidos e o governo espanhol tomou o controlo total das contas da Catalunha.

 

Carles Puigdemont lidera o governo catalão desde Janeiro de 2016. O ex-autarca de Girona sucedeu a Artur Mas, que acaba de receber uma notificação milionária do Tribunal de Contas.
Carles Puigdemont lidera o governo catalão desde Janeiro de 2016. O ex-autarca de Girona sucedeu a Artur Mas, que acaba de receber uma notificação milionária do Tribunal de Contas.
Reuters



Aos avisos de Mariano Rojoy para que "não subestimem a força da democracia espanhola", o presidente regional, Carles Puigdemont, já respondeu que "não subestimem a força do povo catalão". E enfrentando todos os bloqueios, que rapidamente escalaram do plano constitucional para o financeiro e logístico, o Executivo da região mais rica de Espanha, que conta 7,5 milhões de habitantes e um terço da dimensão de Portugal, insiste que haverá votação e que, caso ganhe o "sim", em dois dias o Parlamento proclamará a independência.

 

Na véspera da primeira reunião de coordenação, agendada para esta tarde, entre a Guardia Civil, a Polícia Nacional e os Mossos d’Esquadra – a polícia autonómica, que o porta-voz da Generalitat já reclamou que juridicamente não pode ser colocada sob coordenação do Ministério do Interior –, o próprio Puigdemont partilhou no Twitter como é que os eleitores, usando um servidor "proxy", podem aceder a informação sobre o referendo. É que várias páginas têm vindo a ser bloqueadas, o que já motivou até uma queixa à Comissão Europeia para que intervenha sobre a "censura" que o Estado espanhol está a aplicar na Catalunha.

 

 

Face a estes desafios e provocações mútuos, que está também a enervar os governos europeus, de vários quadrantes da sociedade civil espanhola continuam a multiplicar-se os apelos ao diálogo. O último chegou do Comité dos Reitores das Universidades Espanholas, que reclamou num comunicado que "face à actual conjuntura política na Catalunha, o diálogo, dentro da lei, é o único caminho para resolver um problema político que deve ter uma solução política".

 

Preocupados com o "abrandamento tanto no consumo como do investimento" que afirmem já se sentir em Espanha devido a esta situação de crise política que se vive na Catalunha, o patronato faz contas à vida e começa a engrossar a voz contra este ímpeto independentista. Javier Vega de Seoane, o líder do reputado "Círculo de Empresarios", que tem sede em Madrid e como sócios mais 200 executivos das principais empresas locais e estrangeiras que operam no país, desabafou ainda à agência Efe que a situação económica só não é pior porque a região tem "cidadãos estupendos", já que "se fosse pelos seus dirigentes, a Catalunha estaria bastante mal".

Na semana passada, o ministro espanhol das Finanças já tinha dramatizado que a independência da Catalunha seria uma decisão "irracional" e provocaria um "brutal empobrecimento" na região, até porque 75% da produção catalã passaria a estar sujeita a tarifas. Luis de Guindos calculou ainda que a secessão resultaria numa quebra de 25% a 30% do PIB catalão.




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

O Procurador então que mande prender toda a população da Catalunha. Haja ou não referendo a Espanha não será a mesma. Assim não conseguirão sarar as feridas herdadas do passado.

Pierre Ghost Há 3 semanas

Puigdemont ja deveria estar detido há muto tempo !!! Inclusivé e acusado de corrupção com uma empresa de aguas , quando era alcaide de Girona !!!!
Agora com este incitação a um golpe de estado....mais...duvido que proclame a independencia unilateral...pois isso acarreta prisão até 20 anos !!!

Anónimo Há 3 semanas

Procurador-geral admite prender líder do Governo catalão antes do referendo

E PORQUE NÃO PRENDER A EQUIPA TODA DO BARCELONA?
É QUE O BARCELONA TAMBEM SE MANIFESTOU A FAVOR DO REFERENDO E, COMO SPORTINGUISTA, DÁVA-ME BASTANTE JEITO!

A idiotice não paga imposto Há 3 semanas

Mr. Tuga, pelo teu comentário dá para ver que és muito cretino.
Pela mesma ordem de ideias, também são de louvar o déspota da Venezuela e, mesmo, Hitler, porque tem (teve) tomates.
Que tristura ...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub