Américas Procurador-geral dos EUA poderá apresentar demissão

Procurador-geral dos EUA poderá apresentar demissão

O procurador-geral norte-americano, Jeff Sessions, que foi um dos primeiros apoiantes de Donald Trump, poderá apresentar a demissão, depois de críticas do presidente às dificuldades de implementação da proibição de entradas no país.
Procurador-geral dos EUA poderá apresentar demissão
Reuters
Bruno Simões 07 de junho de 2017 às 11:35

Donald Trump está descontente com Jeff Sessions e este tem estado a ponderar apresentar a demissão, de acordo com a Bloomberg, que cita uma fonte próxima do procurador-geral. Sessions foi o primeiro senador a declarar apoio a Donald Trump e pôde escolher o cargo que queria ocupar na administração norte-americana, depois da vitória do magnata. Escolheu o cargo equivalente a ministro da Justiça, mas as ligações à Rússia e as dificuldades na implementação do "travel ban" poderão resultar na sua saída.

 

A posição de Jeff Sessions ficou em xeque depois de ter sido afastado de chefiar a investigação à interferência da Rússia nas eleições de Novembro do ano passado. Isto porque o procurador-geral não divulgou, nas audições de tomada de posse, que conversou em duas ocasiões distintas com o embaixador da Rússia nos EUA, Sergey Kislyak – a primeira em Julho, na convenção republicana, e a segunda no seu gabinete no Senado, em Setembro.

 

Mais recentemente, Trump tem criticado a forma como o Departamento de Justiça tem lidado com a proibição de entrada no território americano de cidadãos de um conjunto de países de maioria muçulmana. Através do Twitter, o presidente americano disse que a segunda versão do decreto que fecha a porta a esses cidadãos – adoptada depois de os tribunais federais terem declarado a proibição ilegal – é uma versão "politicamente correcta" e "suavizada" do decreto original.

"O Departamento de Justiça deveria ter mantido a proibição de entrada original", declarou.

 

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, não quis dizer se o presidente ainda mantém a confiança em Jeff Sessions, depois desta incursão na rede social. "Não falei com ele sobre isso", declarou esta terça-feira Spicer. A Bloomberg nota que o porta-voz deu uma resposta semelhante a 9 de Maio, quando questionado sobre se Trump ainda confiava em James Comey, então director do FBI.

 

Nesse mesmo dia, Comey foi demitido por Trump.

 

Foi a ABC News quem avançou inicialmente a possibilidade de Sessions se demitir. À Bloomberg, uma fonte próxima do procurador-geral, que não é identificada, garante que Sessions tem admitido a possibilidade de se demitir nas últimas semanas.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 07.06.2017

Mais fake news!

António 07.06.2017

Não apresenta demissão nenhuma, o que poderá apresentar é o pedido de demissão.

pub