Américas Procurador Jeff Sessions nega reuniões com russos para influenciar eleições dos EUA

Procurador Jeff Sessions nega reuniões com russos para influenciar eleições dos EUA

O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, disse hoje que "nunca" se reuniu com qualquer funcionário do Governo russo para influenciar as eleições presidenciais de 2016.  
Procurador Jeff Sessions nega reuniões com russos para influenciar eleições dos EUA
Reuters
Lusa 13 de junho de 2017 às 22:04

"Nunca me reuni nem tive qualquer conversa com nenhum funcionário russo ou com qualquer funcionário de qualquer Governo estrangeiro para influenciar as eleições dos Estados Unidos", disse hoje perante o Comité dos Serviços de Inteligência do Senado, que investiga a suposta ingerência russa nas eleições.

 

Jeff Sessions disse também que, qualquer sugestão de que tenha conspirado com o Governo russo para influenciar as eleições de 2016, é "uma mentira descarada e detestável".

 

"Qualquer sugestão de que participei em qualquer conluio com o Governo russo para prejudicar este país, ao qual tive a honra de servir durante 35 anos, ou que tenha minado a integridade do nosso processo democrático, é uma mentira descarada e detestável", afirmou Sessions ao Senado.

 

O responsável também disse que confiava em Robert Mueller, ex-diretor do FBI que foi nomeado pelo Departamento de Justiça da administração Trump para conduzir a investigação à alegada interferência da Rússia nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016 e ao possível conluio com a campanha de Donald Trump.

 

E explicou que se afastou da investigação a 2 de Março porque tinha participado activamente na campanha do agora Presidente, Donald Trump e não considerava apropriado participar na investigação. Mas não, acrescentou, por ter cometido qualquer delito durante a campanha.

 

A audiência de hoje foi pública, a pedido de Jeff Sessions, por considerar "importante que o povo norte-americano escute a verdade directamente dele próprio".

 

No fim-de-semana, o departamento governamental já tinha adiantado que Sessions compareceria hoje, mas não tinha precisado se seria um testemunho público ou à porta fechada.

 

Com esta comparência, Sessions pretende responder ao testemunho emitido na semana passada, perante este mesmo comité, pelo ex-director do FBI James Comey.

 

Comey sugeriu que Sessions se afastou em 2 de Março da investigação sobre a suposta ingerência russa nas eleições presidenciais de Novembro nos EUA devido à sua participação numa série de factos que, por serem considerados como "classificados", não revelou perante o público.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub