Europa Procuradoria francesa vai prosseguir inquérito a Fillon

Procuradoria francesa vai prosseguir inquérito a Fillon

O candidato de direita protestou, acusando a justiça de ter feito um anúncio vazio para alimentar "a novela dos média".
Procuradoria francesa vai prosseguir inquérito a Fillon
Negócios 16 de fevereiro de 2017 às 14:29

O departamento de crime financeiro da Procuradoria de Paris anunciou nesta quinta-feira, 16 de Fevereiro, que vai prosseguir o inquérito que visa François Fillon, candidato da direita às presidenciais em França, suspeito de ter beneficiado a mulher com um emprego fictício no parlamento francês.


"As investigações vão continuar", refere um comunicado da Procuradoria francesa acrescentando que as provas ainda estão a ser recolhidas.


O relatório da polícia sobre o suposto emprego fictício de Penelope Fillon, casada com o candidato da direita francesa às presidenciais de 23 de Abril, foi enviado na quarta-feira para a Procuradoria.


O inquérito preliminar, com data de 25 de Janeiro, e que partiu de notícias publicadas na imprensa, indica que alegadamente foram utilizados fundos públicos na contratação fictícia de Penelope Fillon como assistente parlamentar do marido.


O caso afectou a popularidade de Fillon que foi ultrapassado pela candidata da extrema-direita Marine Le Pen e pelo centrista Emmanuel Macron, nas intenções de voto dos eleitores franceses.


Fillon prometeu retirar-se da corrida presidencial se for aberta uma investigação formal, o que ainda não sucedeu.


O prolongamento do inquérito levou, porém, a uma reacção forte do candidato, que acusou o juiz de ter feito um comunicado à imprensa sem que nada de revelante o justificasse.


"Não há nada de novo, nem no plano processo judicial ou acusação. Este anúncio é um acto de comunicação que alimenta a novela dos média", disse o ex-primeiro-ministro ao Figaro. "Isto não afecta em nada a minha determinação", assegurou.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub