Conjuntura Produção industrial alemã caiu menos do que previam as estimativas

Produção industrial alemã caiu menos do que previam as estimativas

A produção do sector industrial germânico recuou 0,4% em Março comparativamente com o mês anterior, ainda assim uma quebra menor do que a redução de 0,7% prevista pelos analistas. Queda na procura de bens de investimento e energia justifica a variação negativa.
Produção industrial alemã caiu menos do que previam as estimativas
Negócios com Bloomberg 09 de maio de 2017 às 07:57

O Ministério da Economia da Alemanha revelou esta terça-feira, 9 de Maio, que em Março a produção industrial alemã, já ajustada à inflação e à sazonalidade, recuou 0,4% face a Fevereiro, mês em que tinha aumentado 1,8%, uma variação que não foi tão negativa quanto a estimativa média de uma redução de 0,7% apontada pelos analistas consultados pela Bloomberg.

 

A justificar este comportamento está a redução no nível de procura de bens de investimento e energéticos. Já as exportações aumentaram 0,4% em Março e as importações cresceram 2,4%, revelou o instituto oficial de estatísticas germânico num comunicado separado.

"O dinamismo do sector industrial foi de alguma forma relançado no primeiro trimestre", refere o Ministério germânico num comunicado onde é salientado o comportamento da "produção industrial e da construção".

 

Os dados hoje divulgados surgem depois de ontem terem sido avançados os números mais recentes sobre as encomendas ao sector fabril alemão, que em Março aumentou pelo segundo mês consecutivo apoiado pelo aumento da procura nas economias que integram a Zona Euro.

 

Numa altura em que de uma forma geral se antecipa uma melhoria das condições económicas nos primeiros três meses deste ano, o instituto de estatísticas alemão prevê que no primeiro trimestre aquela que é a maior economia europeia tenha crescido 0,6%. Os dados oficiais serão divulgados na próxima sexta-feira. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub