Economia Programa da troika faz salários reais recuarem quase 20 anos
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Programa da troika faz salários reais recuarem quase 20 anos

Entre 2011 e 2014, os salários reais deverão perder 14% do seu valor, mais ainda do que na intervenção do FMI na década de 80.
Programa da troika faz salários reais recuarem quase 20 anos

A última actualização do programa de

Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SwedishChef 10.04.2012

Eu ando há 7 anos a perder salário, portanto isto é AT (Antes da Troika). Aliás não entendo aquelas noticias que iam saindo sobre aumentos médios de remunerações em Portugal... EU só tive aumentos de impostos. Deve ser por ser rico, afinal se tenho um apartamento num dormitório e um carro com 4 rodas é porque sou milionário... sou tão rico que cada vez me compensa menos trabalhar.

Paulo 09.04.2012

Sim concordo com voçê nesse ponto de vista.

Anónimo 09.04.2012

O anonimo (que por baixo do anonimato é o comunista GuardaAbel) que diz Bandidos Morte ao PPC –hahaha , deve ter que pedir dinheiro ao Kim Il da Coreia do Norte (país modelo dos comunistas), porque a troika são assassinos, logo não lhes pede emprestado! Os Russos não emprestam a ninguém! E os Chineses emprestam mas o juro é mais caro que a troika. Logo o Guarda Abel vai ter que pedir emprestado ao primo Kim da Coreia do Norte, hahhahahaha!!!

Anónimo 09.04.2012

Factos: mesmo atirando com o país ao charco, como vão fazer com o entusiasmo dos cegos com um par de rollerblades, este governo é estável e dura até 2015. Não vai haver demissão, nem com o segundo, nem com o terceiro pacote de ajuda, porque quem atira com os cidadãos aos lobos simplesmente para conquistar o poder não vai concerteza abdicar dele só porque estamos a ser devorados. É para o lado que dormem melhor. E é sempre possível contar mais mentiras desde que se ponha uma cara séria e se tenha as pessoas certas nos lugares certos nos media. E eles põem, e têm. Não vai haver dissolução, porque a criatura que empesta o Palácio de Belém é a exacta definição de uma múmia: por dentro dos dourados e pompa da instituição resta agora apenas um cadáver. Golpe de estado só no twitter. Não é de certeza por aí.

Por isso, tendo em conta estes factos, algumas realidades políticas igualmente duras: não adianta a ninguém estar neste momento a gastar muitos cartuchos, porque é demasiado cedo. Parece uma eternidade para quem vê o presente negro e o futuro inexistente, mas politicamente ainda agora começou. Seguro sabe isso, por isso se entretém a tentar blindar o seu poder interno em vez de fazer oposição, as centrais sindicais sabem isso, daí as manifestações generalistas e apagadas apenas para manutenção e testes da máquina, o António Costa e restantes pretendentes sabem isso também, por isso não fazem para já nenhuma jogada visível. O António José que atravesse o deserto. A oposição mais vocal está entregue a Louçã, não só porque é o que Louçã faz, mas também porque limpar a imagem do BE vai levar bastante tempo e quanto mais cedo se começar melhor. Resumindo, só lá para meados de 2013 é que se vai ver alguma agitação, algum brandir de armas, algumas vozes mais fortes, em preparação de 2014, o ano decisivo da contestação. O jogo político é, neste momento, longo.

Entretanto, estamos entregues a nós mesmos.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub