Economia Programa de Estabilidade passa no primeiro teste da esquerda

Programa de Estabilidade passa no primeiro teste da esquerda

Marcelo Rebelo de Sousa recebe segunda e terça-feira os partidos com representação parlamentar para falar sobre o Programa de Estabilidade. O Presidente da República quer conhecer as posições dos líderes.
Programa de Estabilidade passa no primeiro teste da esquerda
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 16 de abril de 2017 às 22:25

O Presidente da República começa esta segunda-feira a receber os partidos depois da apresentação pelo Governo do Programa de Estabilidade. Os encontros com Marcelo acontecem depois do Executivo ter defendido a necessidade de metas sustentáveis que não ponham em causa as polícias actuais. À esquerda, o documento não foi mal recebido, apesar de continuar a baixar o défice e de apresentar uma recuperação económica moderada.

Na conferência de imprensa de apresentação do documento, o ministro das Finanças defendeu que o Programa de Estabilidade é "rigoroso" e lembrou os resultados conseguidos na frente orçamental em 2016 para tentar mostrar que é possível cumprir as metas de Bruxelas e os objectivos do Programa de Governo acordados com os parceiros no Parlamento.

Rigor, sustentabilidade e cumprimento das metas com a Europa foram aliás ideias referidas por mais de uma vez por Mário Centeno. Já no fim da apresentação o ministro explicou a importância de ir com calma numa altura em que se negoceiam reformas – como a do IRS ou até a das reformas antecipadas. "Há um quadro de sustentabilidade e preocupação com as decisões que tomamos para não terem de ser revertidas", justificou.

Apesar dos sinais dados por Centeno – enfoque no cumprimento das metas orçamentais e prudência nas altercações políticas –, o documento não foi rejeitado pelos parceiros que apoiam o Governo no Parlamento. O CDS vai forçar a votação do documento, mas a esquerda deverá voltar a mostrar união. O Bloco de Esquerda defendeu que o Programa de Estabilidade "cumpre genericamente" o que levou o Bloco a viabilizar o Governo PS. O PCP adiantou aos jornalistas que não sujeitaria o documento a votos no Parlamento, através de um projecto de resolução, argumentando que PSD e CDS "estão interessados apenas em criar dificuldades à reposição de direitos e rendimentos".

Apesar disso, os dois partidos criticaram o cumprimento das metas de Bruxelas. Catarina Martins, a líder bloquista, considerou que "a solução não é seguir o que determina Bruxelas", mas "defender a economia de quem trabalha em Portugal". Pelo PCP, Paulo Sá afirmou que "o Governo assume como prioridade a redução do défice orçamental e a consolidação das contas públicas. Para o PCP, a prioridade é a resposta aos problemas nacionais".

Marcelo recebe esta segunda PSD, PS e Bloco, deixando os outros partidos para terça-feira. Em 2016 o Presidente também quis ouvir os partidos por causa do Programa de Estabilidade e do Programa Nacional de Reformas. 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 17.04.2017

Estes perdões ou benesses facultadas pela União Europeia não podem ser motivo para se esquecerem todas as reformas que visem eliminar o excedentarismo e a rigidez do mercado laboral ao mesmo tempo que se criam as condições para aprofundar, fortalecer e dinamizar o mercado de capitais português (para os menos atentos, o mercado de capitais é o oposto ou um concorrente mais sustentável, transparente e justo do tradicional sistema bancário de retalho e do chamado mercado de dinheiro ou money market).

comentários mais recentes
Anónimo 17.04.2017

Estes perdões ou benesses facultadas pela União Europeia não podem ser motivo para se esquecerem todas as reformas que visem eliminar o excedentarismo e a rigidez do mercado laboral ao mesmo tempo que se criam as condições para aprofundar, fortalecer e dinamizar o mercado de capitais português (para os menos atentos, o mercado de capitais é o oposto ou um concorrente mais sustentável, transparente e justo do tradicional sistema bancário de retalho e do chamado mercado de dinheiro ou money market).

pertinaz 17.04.2017

A ESQUERDALHA VAI ENGOLIR OS SAPOS QUE FOREM NECESSÁRIOS PARA MANTER O PODER ...!!!

Conselheiro de Trump 17.04.2017

Este caralho qualquer dia reprova uma noticia deste jornal so porque falta a PINTINHA no I.Ate na pascoa nao esta livre(tem de meter NOJO).IRRA.

pub
pub
pub
pub