Mundo Proibidas reuniões públicas em Ancara até final de Novembro pelo "risco de atentados"

Proibidas reuniões públicas em Ancara até final de Novembro pelo "risco de atentados"

O governador de Ancara, cidade atingida em 2016 por diversos ataques mortíferos, anunciou a proibição de todas as reuniões públicas na capital turca devido ao risco de "atentados".
Proibidas reuniões públicas em Ancara até final de Novembro pelo "risco de atentados"
Reuters
Lusa 17 de Outubro de 2016 às 21:00
Num comunicado publicado na sua página digital, a instituição governamental anuncia a proibição de "todos os tipos de reuniões e de manifestações nos locais públicos como estradas, praças, ruas e parques (...) até 30 de Novembro de 2016".

Ao evocar "informações" sobre "preparativos por organizações terroristas ilegais com o objectivo de cometer atentados", o organismo indica em comunicado que esta decisão foi determinada pela prevalência do estado de emergência instaurado em julho após uma tentativa de golpe de Estado, e que vai ser prolongado por mais três meses.

A Turquia, designadamente Ancara e Istambul, foram alvo nos últimos 12 meses de diversos atentados, relacionados com o reinício do conflito curdo ou atribuídos ao grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), que provocaram dezenas de mortos.

Em 10 de Outubro de 2015, 103 pessoas foram mortas num atentado à bomba frente à estação central de caminhos-de-ferro em Ancara, no decurso de uma manifestação pela paz e em solidariedade com a população curda, o ataque mais mortífero da história moderna da Turquia.

No decurso de uma homenagem às vítimas em 10 de Outubro, um ano após o ataque, eclodiram confrontos entre manifestantes e forças policiais.

O estado de emergência, instaurado em 20 de Julho por três meses após a tentativa de golpe de Estado, será prolongado por mais 90 dias a partir de quarta-feira.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Em portugal da-se o nome de:RECOLHER OBRIGATORIO.

pub