Emprego Leis sobre direito do trabalhador a "desligar" baixam à comissão sem votação

Leis sobre direito do trabalhador a "desligar" baixam à comissão sem votação

Os projectos de lei sobre a regulação do descanso do trabalhador, ou direito a "desligar", baixaram por 90 dias, sem votação, à comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social.
Leis sobre direito do trabalhador a "desligar" baixam à comissão sem votação
Pedro Elias
Lusa 20 de outubro de 2017 às 13:33
Todos os partidos proponentes, BE, PAN, PS, BE e CDS, propuseram a baixa à comissão sem votação, aprovada por unanimidade.

Depois de o diploma baixar à comissão, os deputados têm um prazo de três meses para fazer o trabalho de especialidade, negociando alterações aos diplomas.

No final do processo, o plenário vota na generalidade, especialidade e votação final global.

O parlamento discutiu hoje alterações ao Código de Trabalho propostas pelos seis partidos, que incluem a regulação do descanso, com o PS a propor que os funcionários possam ser, neste período, abordados pela entidade patronal por via "digital".

PCP e BE discordam do projecto de lei dos socialistas, que apelaram hoje, através da deputada Vanda Guimarães, a um consenso nesta matéria.

Nas votações, foi aprovado um projecto de resolução, do PCP, que recomenda ao Governo a adopção de medidas que garantam o suprimento efectivo dos horários de trabalho e a conciliação do trabalho com a vida familiar.

Só o PSD votou contra o ponto 1 do texto, que recomendava a "reposição da obrigatoriedade de entrega, por parte das entidades patronais à ACT, em cada ano civil, dos mapas de horários de trabalho" em vigor nos locais de trabalho.

(notícia actualizada às 13:44 com mais informação)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub