Economia Protecção Civil volta a admitir aumento do número de mortos

Protecção Civil volta a admitir aumento do número de mortos

Patrícia Gaspar admite que o número de mortes, que nesta altura se cifra em 32, poderá aumentar. A adjunta de operações revelou ainda que neste momento há 50 incêndios activos, 31 classificados como "importantes".
Protecção Civil volta a admitir aumento do número de mortos
Ricardo Reis
David Santiago 16 de outubro de 2017 às 16:38

No briefing realizado às 16:00 desta segunda-feira, 16 de Outubro, a adjunta de operações da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) reconheceu que, desde domingo, o número de mortes provocadas pelos incêndios poderá continuar a aumentar. Nesta altura há 52 mortes confirmadas, adiantou Patrícia Gaspar.

"Há ainda zonas onde os meios estão agora a chegar", começou por notar a responsável da ANPC que assume que é "preciso não fechar esta porta [a mais mortes], infelizmente". Em causa estão zonas com habitações "muito dispersas", em especial nas zonas de Viseu e Coimbra.

 

Além das vítimas mortais, neste momento estão já contabilizados 56 feridos, 16 destes em estado considerado grave, e sete pessoas desaparecidas. Estes números levam também Patrícia Gaspar a admitir como possível o registo de mais vítimas mortais.

 

A adjunta de operações da Protecção Civil revelou ainda que, das 263 ocorrências de incêndios, persistem activos 50 incêndios, 31 classificados como "importantes" e "sem sinais de que possam ser dominados nas próximas horas". E explicou que há apesar da existência de 18 meios aéreos disponíveis, apenas dois estão a operar devido a dificuldades de visibilidade.

 

Patrícia Gaspar revelou também que está activado o alerta vermelho para na "globalidade do país", estando "activos 20 planos municipais de emergência". Em termos meteorológicos são esperadas boas notícias para o final do dia e para a próxima noite com a expectativa de "precipitação".

 

Quanto ao planeamento que foi feito no que ao combate aos incêndios diz respeito, a adjunta da protecção Civil admite que "quando fizemos o planeamento, em Março, se soubéssemos que isto iria ser assim teríamos agido de forma diferente".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A Igreja e a Política Revela-se Há 3 dias

Quem julgava que a Igreja, seja,seus dirigentes, não se metia na Política Partidária, aqui tem a Resposta, quem esteve Silenciado 4 Anos com muitas Mortes de muitas formas e Feitios, Mal Vê uma nesga apela á Insurreição Popular, Não sei se este Governo cortou os milhões de Euros que o anterior Gover

Quando é que a desproteção civil é extinta? Há 5 dias

Serve para quê?
Dar tachos a boys incompetentes e negligentes?
A proteção civil é uma despesa inútil, que os portugueses não devem suportar...
EXTINÇÃO.... EXTINÇÃO.... EXTINÇÃO.... EXTINÇÃO.... EXTINÇÃO.... EXTINÇÃO.... EXTINÇÃO....EXTINÇÃO.... EXTINÇÃO.... EXTINÇÃO.... EXTINÇÃO....

Manuel Há 5 dias

Estes briefings são a coisa mais ..... que existe

Silva Há 5 dias

A proteção civil só serve para comunicar desgraças em vez de as evitar. Acabem de vez com isso.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub