Economia Proteccionismo nos EUA leva Brasil e Argentina a aproximarem-se do México

Proteccionismo nos EUA leva Brasil e Argentina a aproximarem-se do México

Os presidentes do Brasil, Michel Temer, e da Argentina, Mauricio Macri, sinalizaram hoje que buscarão uma aproximação com o México e demais países da América Latina para lidar com as incertezas trazidas pelo novo Governo dos Estados Unidos.
Proteccionismo nos EUA leva Brasil e Argentina a aproximarem-se do México
Lusa 07 de fevereiro de 2017 às 18:46

O chefe de Estado argentino, que dirige temporariamente o Mercosul (bloco de livre comércio fundado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) disse numa visita oficial a Brasília que ele e Michel Temer discutiram uma aproximação com blocos comerciais da região e o México. 

 

"Trabalhamos por uma aproximação [do Mercosul] com a Aliança do Pacífico e também com o México (...) Desejamos que nesta mudança de cenário o México comece a olhar para o sul com maior decisão. Falei com o Presidente [Enrique] Peña Nieto para saber como estão as coisas e disse a ele que estamos abertos para aprofundar o diálogo e cooperar", frisou Mauricio Macri (na foto).

 

O Presidente brasileiro, por sua vez, aproveitou para anunciar acordos de cooperação com a Argentina e comentou que os dois países têm hoje o mesmo desafio de "promover o crescimento económico e da criação de empregos". 

 

Nas últimas décadas, a Argentina tem sido um dos principais parceiros comerciais do Brasil.         

 

Em 2016, a soma das exportações e importações entre o Brasil e a Argentina atingiu 22,5 mil milhões de dólares (21,4 mil milhões de euros), com um excedente de 4,3 mil milhões de dólares (4 mil milhões de euros) para o Brasil, segundo informações divulgadas pelo Palácio do Planalto.

 

As empresas brasileiras venderam para a Argentina, no ano passado, principalmente automóveis de passageiros (25% do total das exportações), veículos de carga (8,8%) partes e peças de veículos (6,5%), e outros produtos manufacturados (4,7%).

 

Antes de encerrar a visita oficial com duração de apenas um dia, Maurício Macri será recebido no Congresso Nacional pelos presidentes do Senado (câmara alta parlamentar) e da Câmara dos Deputados (câmara baixa) e pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 2 semanas

Daqui a nada tem mais buracos os sapatos de Trump q uma sendalias de tanto tiro q da nos pes.Quando estiver enterrado ate ao pescoco dos produtes q fabrica vai perceber q afinal errou.Nao faz falta entrar de leao porque os outros paises nao sao nenhuma selva.Que ponha os olhos na Alemanha,China.

pub