Economia Próximo Governo tem borla de quase 1.000 milhões para o Orçamento de 2021

Próximo Governo tem borla de quase 1.000 milhões para o Orçamento de 2021

O Programa de Estabilidade prevê uma receita extraordinária de quase 1.000 milhões e euros a receber em 2021. Ajuda chega na próxima legislatura. 
Próximo Governo tem borla de quase 1.000 milhões para o Orçamento de 2021
Reuters
Marta Moitinho Oliveira 14 de abril de 2017 às 15:00

O Programa de Estabilidade prevê uma receita extraordinária de 948 milhões de euros para 2021, o último ano das projecções do Governo, na próxima legislatura. Esta ajuda será determinante para o cumprimento das metas europeias. 

 

"O aumento anormalmente elevado [de receitas de capital] em 2021 reflecte a devolução das restantes ‘pre-paid margins’ referentes ao segundo empréstimo do Fundo Europeu de Estabilização Financeira", diz o documento publicado esta sexta-feira. No quadro com as medidas para os próximos anos esta receita é quantificada em 948 milhões de euros.

 

2021 é, aliás, o único ano em que aparecem identificadas medidas temporárias. 

 

Esta medida permite ajudar a melhorar a situação orçamental. Para esse ano está previsto um excedente orçamental de 1,3% do PIB, acima dos 0,4% projectados para o ano anterior. 

 

No entanto, sendo uma medida temporária, não conta para a correcção do saldo estrutural que desconta efeitos do ciclo económico e das medidas irrepetíveis. Ainda assim é para 2021 que está previsto um saldo estrutural que permite cumprir o objectivo de médio prazo fixado por Bruxelas a Portugal (0,25%). No documento, o Governo projecta um saldo estrutural igual a 0,3% do PIB.   

 

Esta não será a primeira vez que o Governo conta ajuda desta receita. Já em 2016 a redução do défice beneficiou de uma receita de 286 milhões de euros, também em resultado da devolução de uma margem de lucro que deixou de existir no que respeita aos empréstimos europeus. 




A sua opinião41
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Existem muitos custos a serem magistralmente remetidos para debaixo do tapete por este governo socialista. A contabilidade criativa dá para tudo. Isto até parece 2007.

comentários mais recentes
OH MINHA ANORMAL, BORLA?.... Há 1 semana

...e então a dívida não se paga? Em 2017 244milM 131% do PIB, em 2017 254milM€ 137% do PIB, etc.Não se paga? Tá quieto!

pertinaz Há 1 semana

A ESCUMALHA QUER-NOS CONVENCER QUE SOMOS A ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS...!!!

AHAHAH Há 1 semana

Ó CONSELHEIRO DA TRAMPA então agora já tem pruridos em falar no "dito cujus" ? Agora já põe pontinhos ? Será que ruborizou com o comentario ? Hum, afinal o tom agressivo era enganador. Na sua pessoa está um ser muito "sensível". POIS !!!!????...........

AHAHAH Há 1 semana

Ó SALAFRARIO, Freud explica porque razão o Conselheiro da Trampa está sempre a falar em cus. Pá, o tipo é da direita e isso já explica tudo.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub