Política PS à espera de consensos na descentralização e transparência

PS à espera de consensos na descentralização e transparência

O PS inicia na segunda-feira as suas jornadas parlamentares em Coimbra, com a descentralização e a transparência dos políticos na agenda, áreas em que espera consensualizar posições com o PSD e os restantes partidos.
PS à espera de consensos na descentralização e transparência
Bruno Colaco/Correio da Manhã
Lusa 21 de janeiro de 2018 às 10:23

Num momento em que o parlamento discute as propostas sobre a transparência política, como o alargamento das incompatibilidades ou a legalização dos lóbis, Carlos César alerta que "a transparência é fundamental" e que "é aos democratas que compete defender a democracia".

"Estão muito enganados todos aqueles os que pensam que ignorar este problema [da transparência] é que o resolve ou que tratar este problema só adensa suspeições", afirmou César aos jornalistas, antecipando a agenda das jornadas parlamentares, na segunda e na terça-feira.

O "estado de suspeição da política e dos políticos" tem que ser ultrapassado com reflexão, nos partidos e na sociedade, com soluções que devem ser consensualizadas.

"A reflexão na sociedade deve ser transportada para o âmbito parlamentar onde se impõem decisões que hão de ser, certamente, consensualizadas entre todos os partidos", acrescentou.

A abertura à sociedade levou o PS a convidar, para um debate, nas jornadas, na terça-feira, o ex-ministro Guilherme d’Oliveira Martins, actual administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, Susana Coroado, vice-presidente da Associação Cívica para a Transparência e Integridade, e o fiscalista João Taborda da Gama.

A descentralização de competências para as autarquias é um tema do PS desde as eleições autárquicas do ano passado que será debatido no segundo dia por dois socialistas – um, Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, responsável pelo dossiê no Governo, e Manuel Machado, presidente da câmara de Coimbra e da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

Nesta área, César tem a expectativa de fazer avançar esta reforma até final do ano, em parte ou mesmo que se finalize o processo e, mais uma vez, estende o apelo ao PSD.

"Será necessária, nesta área, um consenso amplo", afirmou o presidente da bancada socialista, esperançado que a aplicação dos futuros fundos comunitários seja já feita com base na descentralização de competências.

Nos dois dias que passarem na região centro, um deles, a segunda-feira, será dedicado a visitas a vários concelhos de Coimbra, Viseu e Leiria, "atingidos rudemente pelos incêndios no ano transacto", nas palavras de Carlos César, e que fizeram mais de cem mortos e milhões de euros de prejuízos.

Os deputados, descreveu, vão ver quais as "dificuldades que ainda permanecem, o que está a ser feito para se reabilitarem esses espaços e trazer de novo a esperança às populações e reativar a economia".

Carlos César e um grupo de deputados estarão na segunda-feira de manhã em Penacova, Coimbra, onde vão ver as áreas afectadas pelos fogos, enquanto os outros grupos vão deslocar-se a outros concelhos.

À noite, o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, discursa aos deputados num jantar, em Coimbra, em que também participa o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 dias

Portugal é uma economia que se foca exageradamente no sindicalismo e esquece por completo a boa gestão de recursos humanos, que teria que estar associada a um mercado laboral flexível, a um mercado de capitais forte e dinâmico, e a um Estado Social equilibrado e eficaz. Por isso tem vivido de resgate em resgate, fundo europeu em fundo europeu e com polícias, bombeiros, hospitais e escolas mal equipadas, cheias de infraestruturas decrepitas e material obsoleto dignos de países do Terceiro Mundo ou de há 40 anos atrás. Temos assim um país cada vez mais selvagem e barato, no pior sentido dos termos.

comentários mais recentes
Luis Há 2 dias

Se o PS se junta aos aldrabões da direita perde um voto.

Judas a cagar no deserto Há 4 dias

Transparência faz-me lembrar do . . . . . . . . Sócrates.

Transparência faz-me lembrar do . . . . . . . . Sócrates.

Transparência faz-me lembrar do . . . . . . . . Sócrates.

Transparência faz-me lembrar do . . . . . . . . Sócrates.

Anónimo Há 4 dias

Este Pais tem riqueza para multiplicar por vinte?

Anónimo Há 4 dias

querem aumentar os ladroes de lisboa por todo pais
Portugal nao tem riqueza para tanto gatuno
Ainda acabam e como venezuela com tanto chulo e poucos a produzir

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub