Orçamento do Estado PS chumba nova contribuição sobre renováveis

PS chumba nova contribuição sobre renováveis

Na recta final do debate do OE, o PS confirmou a mudança do sentido de voto face a sexta-feira, travando assim a criação de uma nova contribuição sobre o sector das renováveis. A proposta foi negociada entre o BE e o Governo.
A carregar o vídeo ...
Marta Moitinho Oliveira 27 de novembro de 2017 às 16:25
O PS votou contra a criação de uma nova contribuição sobre o sector das energias renováveis, mudando o sentido de voto em relação a sexta-feira, e deixando cair assim a proposta que o Bloco de Esquerda diz ter negociado "passo a passo" com o Governo. A decisão do PS implicou o chumbo da medida e criou uma divisão dentro da própria bancada - Ascenso Simões votou ao lado da restante esquerda e do PAN e o socialista Paulo Trigo Pereira entregou uma declaração de voto. 

"Este processo revelou o melhor da política e, na sua fase final, o pior da política", disse o deputado do PS Luís Testa, no Parlamento. "Tendo em conta os progressos que todos nós já firmámos no sector energético (...) chega a hora de continuar a investir nas energias renováveis" para reduzir a dependência energética do país, explicou o parlamentar. 

No entanto, o deputado não explicou a mudança de posição face a sexta-feira quando o PS viabilizou a proposta do Bloco de Esquerda, um ponto sublinhado por Jorge Costa, o deputado bloquista a quem coube defender a medida. 

"O PS deu uma cambalhota triste na 25ª hora", disse Jorge Costa, acrescentando não entender "o que mudou desde sexta-feira quanto à sustentabilidade" do sector. "O que o PS sabia na sexta-feira sobre as energias renováveis sabe hoje. Não mudou nada." O tema causou mal estar entre as bancadas do PS e do Bloco

Jorge Costa acusou ainda o PS de não ter tido "nervos de aço" em relação ao sector das energias renováveis. 

Na sexta-feira a nova taxa tinha tido os votos favoráveis do PS, Bloco de Esquerda e PCP, a abstenção do PSD e o voto contra do CDS. Esta segunda-feira, o PS votou contra deixando cair a medida. 

A nova taxa, que foi agora chumbada no Parlamento, iria buscar cerca de 250 milhões de euros aos produtores de energia renovável que até agora estavam isentos do pagamento da contribuição extraordinária sobre o sector energético (CESE).   


(Notícia actualizada)




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Praça Há 2 semanas

Vergonhoso, Costa vem de mal a pior, até parece que está a fazer os possíveis e impossíveis, para ser corrido. Afinal, prova-se agora que António Seguro tinha razão.

comentários mais recentes
Cesaltino Há 2 semanas

Foi o PS começar a levar pancada por todos os lados e como são gente de palavra, deu o dito por não dito e o BE ficou a falar sozinho, que até nem foi mal feito.

É URGENTE A BARRAGEM DO VALE DO CÔA Há 2 semanas

1 - O dinheiro gasto pelo Estado ( por todos nós ) com as gravuras de Foz Côa revelou-se um verdadeiro ELEFANTE BRANCO, visto que, após uma guerra tão grande levada a cabo pelos ambientalistas para salvar as PINTURAS RUPESTRES, tudo aquilo está às moscas ou quase.
Entretanto, a actual

É URGENTE A BARRAGEM DO VALE DO CÔA Há 2 semanas

2 - seca extrema, com todas as suas dramáticas consequências para as populações, veio levantar, de novo, a questão pertinente e urgente da construção da BARRGEM DO VALE DE FOZ CÔA.
Se bem virmos, a construção desta Barragem não será feita contra as PINTURAS RUPESTRES, uma vez que todas as

É URGENTE A BARRAGEM DO VALE DO CÔA Há 2 semanas

3 - pinturas encontradas já estão devidamente salvaguardadas, em suporte digital, podendo ser vistas, por todos os que as quiserem admirar, sendo que, construída a Barragem, as referidas pinturas ficarão submersas e não se degradarão.
Por outro lado, as PINTURAS RUPESTRES não se podem sobrepor

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub