Política PS consegue acordo com PSD em Almada, mas recusa “situação anormal ou tensa” com CDU

PS consegue acordo com PSD em Almada, mas recusa “situação anormal ou tensa” com CDU

O PS chegou a um acordo com o PSD na Câmara de Almada, atribuindo-lhe pelouros, o que não aconteceu com a CDU, que liderava a autarquia, nem o BE, mas recusa que a situação seja “anormal ou tensa”.
PS consegue acordo com PSD em Almada, mas recusa “situação anormal ou tensa” com CDU
João Miguel Rodrigues/Correio de Manhã
Lusa 04 de novembro de 2017 às 10:35

Em declarações à agência Lusa, este sábado, 4 de Novembro, a presidente eleita da Câmara de Almada nas eleições autárquicas de 1 de Outubro, Inês de Medeiros, explicou que o acordo resulta de negociações tidas desde essa altura com os partidos que também elegeram vereadores – PSD, CDU e BE –, visando a "atribuição de pelouros e responsabilidades na Câmara".

"Dessas negociações, no final só pudemos concluir uma coligação com o PSD", indicou.


De acordo com Inês de Medeiros, durante os "15 dias de negociações com a CDU", partido que liderava o município desde as primeiras eleições autárquicas em 1976, "não foi possível chegar a um acordo".


"Tudo isto aconteceu de forma bastante natural. Às vezes não é possível chegar a acordo, não há aqui nenhuma situação anormal ou mais tensa", observou a autarca socialista.


Situação semelhante aconteceu com o BE, segundo Inês de Medeiros: "Eles não querem assumir pelouros de maior importância porque não querem estar a executar políticas nas quais seriam decisivos, mas informaram estar disponíveis para colaborações futuras".


Ainda assim, notou que este partido "não é decisivo, [já que] só com o BE não se formaria nenhuma maioria".


Inês de Medeiros admitiu, contudo, que "com o desenrolar do mandato eventualmente" poderão existir novas conversações, nomeadamente com a CDU.


"Neste momento, a prioridade é estabilizar o executivo e começar a trabalhar", referiu.


A deputada Inês de Medeiros, do Partido Socialista, conseguiu um dos maiores feitos das eleições autárquicas, vencendo a câmara de Almada à CDU.


O PS vai, contudo, governar a autarquia com um executivo minoritário, já que conseguiu apenas quatro vereadores, os mesmos que o PCP, o PSD elegeu dois e o BE um.


Questionada pela Lusa sobre os pelouros atribuídos ao PSD, Inês de Medeiros apontou que os dois vereadores sociais-democratas ficarão com "a responsabilidade de tudo o que é redes viárias, iluminações públicas, espaços verdes, inovação e plano estratégico ao nível da energia".


Assumirão, ainda, "uma responsabilidade importante que é a presença na administração dos serviços municipalizados de água e saneamento (SMAS).


Além disso, os dois eleitos do PSD ficarão "a tempo inteiro", adiantou a autarca.