Economia PS desvaloriza veto de Marcelo e mantém posições sobre lei do financiamento dos partidos

PS desvaloriza veto de Marcelo e mantém posições sobre lei do financiamento dos partidos

O PS afirma que mantém todas as suas posições em relação à substância do diploma sobre financiamento dos partidos e diz que voltaria a defender as mesmas propostas.
PS desvaloriza veto de Marcelo e mantém posições sobre lei do financiamento dos partidos
Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS.
Bruno Colaço
Negócios com Lusa 13 de janeiro de 2018 às 10:24

Em declarações ao programa Parlamento da RTP, que será emitido este sábado, 13 de Dezembro, a secretária-geral adjunta do Partido Socialista afirma que "voltaria a propor todas as alterações que o PS propôs a acolher todas as aclarações que o Tribunal Constitucional propôs" à Assembleia da República.

 

"[O PS] mantém todas as suas posições em relação à substância do diploma", declarou Ana Catarina Mendes, segundo um excerto das declarações que fez ao programa Parlamento e que estão disponíveis no site da RTP.

 

A secretária-geral adjunta manifestou ainda "alguma estranheza" com o que considera ser o empolamento sobre as alterações à lei do financiamento dos partidos por parte de algumas forças partidárias e também por parte da comunicação social.

 

O Presidente da República vetou as alterações à lei do financiamento dos partidos políticos, "com base na ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos".

 

O veto presidencial obriga os deputados a uma de duas opções: ou alteram o diploma, aprovado em Dezembro por PSD, PS, BE, PCP e PEV e votos contra de CDS-PP e PAN, para ultrapassarem as dúvidas do chefe do Estado ou confirmam a lei com uma maioria alargada de dois terços.

 

O diploma altera quatro leis relacionadas com a fiscalização e financiamento dos partidos políticos, prevendo que passa a ser a Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) a responsável pela fiscalização das contas com a competência para aplicar as coimas e sanções.

 

Além desta e outras alterações de processo de fiscalização, o diploma muda outras disposições relativas ao financiamento partidário, entre os quais o fim do limite para as verbas obtidas através de iniciativas de angariação de fundos e o alargamento do benefício da isenção do IVA a todas as actividades partidárias.




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Tem que se reabrir o processo da PEDOFILIA salvar o PS das suspeitas. À mulher de César não basta sê-lo tb tem que parece-lo.

Ó hipocrita vamos ser realistas... Há 1 semana

Se a vossa lei é boa, mesmo boa, só têm que estendê-la a todas as empresa do país.
Pois ou há moral ou comem todos!

O Costa facadas anda numa dobadoura a enganar! Há 1 semana

Ó usurpador e traidor, vai-te enfartar de chamuças... Queres resolver na secretaria os calotes do PS??? Dá-lhes Marcelo...Dá-lhes forte, que há gatuno escondido na mata!!!

O PS anda a enfiar todos na manjedoura do Estado! Há 1 semana

Não é uma afronta ao Presidente Marcelo, mas é uma afronta aos PORTUGUESES.
Os três da vida airada (Catarina Mendes, Costa e Carlos César) a defecar cocó ranheta e facada!

Ainda estou para perceber para que serviu a revolução dos cravos

ver mais comentários
pub