Orçamento do Estado PS disponível para aprovar mais alterações ao Orçamento

PS disponível para aprovar mais alterações ao Orçamento

"A nossa preocupação não é sobre quem propõe [as alterações ao Orçamento] mas sim sobre quem beneficia", sustentou o presidente do PS, Carlos César.
PS disponível para aprovar mais alterações ao Orçamento
Bruno Simão/Negócios
Lusa 22 de Novembro de 2016 às 12:13

O líder parlamentar socialista afirmou hoje que a preocupação no Orçamento foi identificar quem beneficia e não quem propõe as medidas, e defendeu que o Governo não pode fazer "mais do mesmo" no combate às assimetrias regionais.

 

Carlos César falava na abertura do debate político das Jornadas Parlamentares do PS na Guarda, que esta tarde serão encerradas pelo primeiro-ministro e secretário-geral socialista, António Costa.

 

Na parte final da sua intervenção, o presidente do PS referiu-se ao processo de aprovação da proposta de Orçamento do Estado para 2017 e às múltiplas alterações que serão introduzidas pelo parlamento nesse documento do Governo em sede de discussão na especialidade.

 

"Não escondemos, e até o desejamos, vir a aprovar outros contributos que se compatibilizem com as nossas orientações gerais. A nossa preocupação não é sobre quem propõe mas sim sobre quem beneficia", sustentou o presidente do PS.

 

Carlos César disse que o seu partido valoriza a ideia de que o próximo Orçamento que "irá ser aprovado é resultado de um amplo compromisso que conjuga o Programa do Governo do PS com as metas orçamentais no âmbito da coordenação europeia, bem como com as muitas propostas avaliadas nos trabalhos preparatórios que decorreram até à entrega da proposta e que reuniram o PS, o Bloco de Esquerda, o PCP e o PEV".

 

"Não escondemos - pelo contrário, valorizamos -, o trabalho de concertação que prossegue e que permitirá ainda a aprovação de muitas dezenas de alterações apresentadas por estes partidos que melhorarão a política orçamental", declarou.

 

Das alterações que serão introduzidas no Orçamento, Carlos César destacou propostas provenientes de parceiros sociais e opções em que o PS pretendeu "acentuar e ou melhorar em domínios como os dos benefícios e direitos sociais, a agilização do sector público empresarial, a melhoria de serviços públicos, a protecção e incremento da economia privada, o apoio à juventude, o caso da capitalização da Caixa Geral de Depósitos ou aspectos que se ligam às obrigações do Estado para com as regiões autónomas".

 

Além das questões orçamentais, o presidente do PS destacou a questão do combate às assimetrias regionais e o significado do Programa Nacional para a Coesão Territorial, defendendo, neste tema, a necessidade de uma efectiva viragem política.

 

"Temos consciência que as declarações sucessivas de diversos partidos e diversos governos sobre uma acção dirigida à correcção das assimetrias regionais se têm multiplicado quase na mesma medida em que têm falhado. Não podemos, por isso, fazer mais do mesmo, nem desistir de uma parte de Portugal no desenvolvimento que pugnamos e almejamos", frisou.

 

Para Carlos César, "é urgente afirmar pela positiva o interior do país".

 

"E esse deve ser um desígnio do PS", acrescentou, numa intervenção que se seguiu à do deputado socialista eleito pelo círculo da Guarda Santinho Pacheco.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub