Política PS e Bloco acusam Passos de xenofobia

PS e Bloco acusam Passos de xenofobia

Na reacção ao discurso do líder do PSD este domingo no Algarve, o PS diz que Passos ensaiou "um discurso racista e xenófobo" e o BE denunciou o que diz ser uma aposta "no preconceito, no ataque aos mais fracos."
PS e Bloco acusam Passos de xenofobia
Bruno Simão
Negócios com Lusa 14 de agosto de 2017 às 16:08
O Partido Socialista e o Bloco de Esquerda acusaram esta segunda-feira, 14 de Agosto, o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, de comportamento xenófobo no discurso do Pontal, com o BE a dizer que esta é uma "estratégia de sobrevivência" e o PS a considerar que o líder social-democrata fez uma "denúncia mentirosa" de alterações à lei da imigração.

"Pela primeira vez em muitos anos tivemos em Portugal um líder político e o líder político do maior partido da oposição, a ensaiar um discurso racista e xenófobo, à semelhança do que vemos noutros países, em França, nos Estados Unidos", defendeu João Galamba (na foto) aos jornalistas no parlamento, reagindo a propósito do discurso do líder do PSD no domingo, durante a Festa do Pontal, em Quarteira, que marcou a "rentrée" política do partido.

O dirigente e deputado socialista acentuou que se trata de "uma denúncia mentirosa sobre alterações à lei que não existiram", tratando-se somente de uma "transposição de uma diretiva europeia, totalmente em linha com o direito europeu".

"Não só o PSD e Pedro Passos Coelho inventaram alterações legislativas que não existiram, como aproveitaram essa invenção para ensaiar um discurso que não tem lugar em Portugal e que deve ser severamente censurado", sublinhou.

"Perante a ausência de políticas alternativas, perante a ausência de uma proposta que possa mobilizar os portugueses e as portuguesas, como a única proposta de Passos Coelho continua a ser o programa da 'troika', ensaiou um discurso que não é habitual e que vai ao encontro de posições xenófobas recentes, que o próprio Passos Coelho disse não fazerem parte da tradição do PSD", acusou por seu lado a bloquista Joana Mortágua.

A dirigente e deputada do Bloco sublinhou que "o líder do PSD escolheu começar o ano [político] a dizer que, em Portugal, não entra qualquer um". "Esta ideia sobre novas regras de imigração, que são bastante razoáveis, tem como único objetivo, depois de todos os argumentos perdidos, apostar no preconceito, no ataque aos mais fracos, como estratégia de sobrevivência", afirmou Joana Mortágua.

Galamba atribuiu ao "puro desespero e desorientação" as críticas de Passos Coelho a alterações à lei da imigração, e disse que estas mostram, afinal, que as declarações do candidato autárquico do PSD em Loures, André Ventura, foram "um balão de ensaio para um discurso nacional".

Passos Coelho acusou o Governo de fazer uma cedência ao "radicalismo de esquerda" com uma alteração "à lei de estrangeiros, que na prática permite que qualquer pessoa possa ter autorização de residência em Portugal desde que arranje uma promessa" de contrato de trabalho.

"Uma promessa, reparem bem, de poder ter um contrato de trabalho", disse, declarando ainda que, segundo essas modificações, "o Estado deixará de ter condições para simplesmente expulsar alguém que possa, sendo imigrante, ter cometido crimes graves contra a própria sociedade portuguesa".

"Este foi o Governo que aprovou estas alterações. Porque é que não discutem na sociedade portuguesa as implicações que para a segurança do país a médio e longo prazo isso pode trazer? Da mesma maneira pergunto: o que é que vai acontecer ao país seguro que temos sido se esta nova forma de ver, a possibilidade de qualquer um residir em Portugal, se mantiver?", questionou.

"Por isso é que o PSD se mantém como um partido que não cede à facilidade, que não cede à demagogia, que não cede ao radicalismo", acrescentou.



A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 14.08.2017

Para estas criancolas de esquerda tudo é branco ou preto, arrumam todo o tipo de tentativa de discussão de ideias com chavões. Razão tinha o Lenine que afirmava que a esquerda é uma infancia permanente.

comentários mais recentes
Viva o Fafe 16.08.2017

Palhaços!!!

Mas o Passos disse alguma mentira? 15.08.2017

Ó geringonças vocês esmifrem os contribuintes portugueses, para sustentar a importação de islâmicos pedófilos e assassinos, não se acanhem!
E espero que os coloquem nos condomínio privados onde habitam os políticos do PS e do BE, e que as vossas mulheres e filhas sejam violadas por eles. ..

A Tentar Perceber 15.08.2017

Quando se tem conhecimento de Resultados desta governação da vontade de levantar as Mãos aos céus e dar Graças a Deus, que escreve Direito por Linhas tortas, o PSD ganhou as eleições, mas felizmente que não foi para o Governo, lembrar o que o Passos Coelho dizia que ainda íamos passar, é o que ele p

Anónimo 15.08.2017

Como não há conteúdo saem com estes ataques de histerismo... política Portuguesa tem o nível intelectual de uma discussão de cabeleireiro... não se discutem ideias, soluções, estratégias, dados, benchmarks... nada, conversa bacoca de gente desqualificada 365 por ano. Vergonhoso.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub