Política PS inicia processo de suspensão de militantes que se candidataram em listas adversárias

PS inicia processo de suspensão de militantes que se candidataram em listas adversárias

A Comissão Política do PS reúne-se terça-feira, a partir das 21:00, para iniciar o processo de suspensão de cerca de três centenas de militantes socialistas que se candidataram em listas adversárias deste partido nas últimas eleições autárquicas.
PS inicia processo de suspensão de militantes que se candidataram em listas adversárias
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 11 de dezembro de 2017 às 22:01

O líder do PS, António Costa, estará ausente desta reunião por se encontrar até quarta-feira na cimeira do clima em Paris - iniciativa do Presidente da República de França, Emmanuel Macron, do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, e do Banco Mundial.

 

Em cima da mesa, na reunião de hoje, estará uma proposta para a Comissão Nacional do PS - o órgão máximo partidário - ratificar as datas de 1, 2 e 3 de Junho de 2018 para a realização do próximo congresso nacional dos socialistas, assim como a questão dos militantes que se candidataram em outras listas nas últimas eleições autárquicas.

 

Em declarações à agência Lusa, o membro do Secretariado Nacional do PS José Manuel Mesquita referiu que a direcção apresenta uma proposta para que a Comissão Permanente dos socialistas tenha poderes para deliberar a "suspensão preventiva destes militantes que se candidataram contra listas do partido" em Outubro passado.

 

"A Comissão Permanente do PS pode depois proceder à deliberação de suspensão preventiva desde que esses militantes sejam primeiro ouvidos e desde que os seus nomes constem objectivamente dos editais como tendo feito parte de listas adversárias. A deliberação de suspensão preventiva tem de ser a seguir ainda ratificada pela Comissão de Nacional de Jurisdição do PS", frisou José Manuel Mesquita.

 

José Manuel Mesquita disse também que a questão da suspensão preventiva destes militantes se coloca com relativa urgência por estarem marcadas para os dias 18 e 19 de Janeiro eleições nas concelhias do PS. "Seria contra a unidade interna do partido se estes militantes, que se candidataram em outras listas contra o PS, participassem e fossem eventualmente eleitos nas próximas eleições concelhias, como se nada antes se tivesse passado", alegou o membro da direcção nacional do PS.

 

Daniel Adrião, da minoria interna dos socialistas e membro da Comissão Política do PS, está contra esta actuação da direcção, defendendo antes que o seu partido seja "magnânimo" em relação a este conjunto de militantes. "É certo que esses militantes não respeitaram os estatutos, mas a direcção nacional também não os cumpriu quando avocou processos autárquicos e desrespeitou resultados eleitorais de comissões políticas concelhias em todo o país", argumentou Daniel Adrião em declarações à agência Lusa.

 

Daniel Adrião manifestou também estranheza que a reunião de hoje da Comissão Política do PS tenha sido marcada para uma data em que se sabia que António Costa estaria ausente do país em funções como primeiro-ministro.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub