Economia PS: Portugal perdeu hoje o pai da Liberdade e da Democracia  

PS: Portugal perdeu hoje o pai da Liberdade e da Democracia  

O Partido Socialista considerou que "Portugal perdeu hoje o pai da Liberdade e da Democracia, a personalidade e o rosto que os portugueses mais identificam com o regime nascido a 25 de abril de 1974".
PS: Portugal perdeu hoje o pai da Liberdade e da Democracia  
Jorge Paula/Correio da Manhã
Negócios 07 de janeiro de 2017 às 17:28

 

Com o desaparecimento de Mário Soares, o PS salienta, numa declaração publicada na sua página oficial, que "acaba de sofrer a maior das perdas imagináveis, a sua maior referência, o fundador e militante número 1, figura maior e indelével do socialismo democrático português e europeu".

 

"Este é um momento de profunda dor para todos os socialistas, que sabemos partilhada por tantos e tantos portugueses, que reconhecem em Mário soares uma figura maior da nossa democracia", diz o partido com sede no Largo do Rato.

 

Com a morte de Soares, o PS lembra que, agora, sobre todos e sobre cada um dos socialistas fica a "imensa responsabilidade" de saber estar permanentemente à altura do legado "deste gigante do socialismo democrático, da Democracia e da Liberdade".

 

"Mário Soares continuará a ser uma referência incontornável, um exemplo e um motivo de orgulho para todos nós. É sentidamente que o dizemos, num momento tão difícil como este: Mário Soares estará connosco para sempre", lê-se na mensagem do PS.

 

O PS recorda o passado antifascista do histórico líder do PS, que foi "sempre a figura referencial do partido", tendo sido seu secretário-geral até 1985, quando decidiu candidatar-se à Presidência da República, o "zénite da sua intervenção política" iniciada ainda na década de 40 do século XX.

 

Mário Soares é ainda recordado pelo PS como uma "figura ativa" das candidaturas presidenciais de Norton de Matos e Humberto Delgado e na defesa de presos políticos nos "tristemente célebres tribunais plenários".

 

"Soares foi sempre um adversário temido e temível pelo salazarismo e marcelismo, o que lhe custou a prisão, a deportação para São Tomé e, mais tarde, o exílio em França, entre 1970 e abril de 1974", adianta o PS acerca do seu fundador "socialista, republicano e laico".

 

O PS lembra também a trajetória política pós-25 de Abril de Mário Soares e o facto de ter lavado o partido a "grandes vitórias" nas eleições para a Assembleia Constituinte e nas primeiras Legislativas, em 1976, assim como a sua "memorável campanha eleitoral" que, em 1986, o levou à Presidência da República.

 

"Mário Soares é uma figura ímpar e inesquecível da História de Portugal, um combatente pela conquista da Liberdade e pela consolidação da Democracia", destaca o PS.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
P. Há 1 semana

Os progenitores da democracia é o povo. Não vale a pena inventar mais alarvices O maior defeito desta gente (que fazem da política profissão) é que quando se apega ao poder tarde ou nunca o largam. Muitos dizem-se ateus, porém, consideram-se divindades. Na verdade o poder corrompe e o poder...

Anónimo Há 1 semana

PENSANDO COMO ENSINAVAM NA ESCOLA PRIMÁRIA, A VERDADEIRA DEMOCRACIA DIRIA: VAI CHAMAR PAI A OUTRO PORQUE EU NÃO TENHO PAI E, ALÉM DISSO, NÃO HÁ PAI SEM MÃE. DO QUE SE TRATA, VERDADEIRAMENTE, É DE UMA DESGOVERNADA PARTIDOCRACIA COM GASTOS SUPERIORES ÀS RECEITAS DESDE 1974




.

JARANES Há 1 semana

Consciente de que á riqueza só se chega por empreendedorismo, com a concomitante assumpçao do risco de perda dos capitais próprios, ou através do poder ( do seu abuso ou exercício ilícito em proveito próprio), e que deter o poder é, também, controlar e mesmo dispor do poder de, de forma frontal ou sonegada chantagear quem empreendeu e teve, por mérito próprio, sucesso, este personagem desde cedo se apercebeu que, faltando-lhe a coragem de empreender e sobretudo de arriscar o que era seu, o melhor seria enveredar pela conquista do poder.
Porém, excluído pela forma de acesso ao poder institucionalizada no anterior regime (caracterizado pelo crivo da honestidade de Sua Ex.a o Sr. Prof. Dr. Oliveira Salazar, que afastava todos os que tinham a descrita visão do poder) o sujeito dedicou-se a lutar por alterar as regras de acesso, vendo na democracia o meio que melhor servia as suas potencialidades, baseadas na retórica e no ilusionismo.
E nisto iniciou uma escola que perdura.

Anónimo Há 1 semana

Desgracadamente o partido ainda nao foi achado.So se acham para a mama.CALOTEIRADA.

ver mais comentários
pub