Banca & Finanças PS, PSD e CDS travam nacionalização do Novo Banco no Parlamento

PS, PSD e CDS travam nacionalização do Novo Banco no Parlamento

Os projectos de resolução do PCP e do Bloco de Esquerda que serão discutidos e votados esta sexta-feira no Parlamento têm chumbo à vista, avança a Lusa.
PS, PSD e CDS travam nacionalização do Novo Banco no Parlamento
Bloomberg
Negócios com Lusa 02 de fevereiro de 2017 às 15:37
Os projectos de resolução de PCP e BE para a nacionalização do Novo Banco, a ser discutidos e votados na sexta-feira na Assembleia da República, devem juntar novamente PS e oposição (PSD e CDS-PP) para o seu chumbo.

Segundo fontes partidárias, socialistas, sociais-democratas e democratas-cristãos vão inviabilizar ambas as iniciativas que incluem a concepção de um novo plano estratégico para a instituição bancária.

O projecto de resolução dos comunistas refere a "necessidade urgente de assegurar a direcção pública do Novo Banco, adquirindo ao fundo de resolução a totalidade do capital, com a respectiva remuneração dos empréstimos concedidos, a nomeação dos órgãos sociais e a elaboração de um plano estratégico para a banca pública que estabeleça os objectivos materiais e temporais".

O texto bloquista recomenda ao Governo do PS que "proceda à nacionalização do Novo Banco" e "promova e garanta" uma "rigorosa avaliação do seu balanço", "a melhor defesa dos interesses financeiros do Estado" e "o apuramento consequente de todas as responsabilidades, anteriores e decorrentes da resolução", além de um "debate alargado e democrático sobre o seu desígnio estratégico".

Nas suas mais recentes declarações, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse que a venda do Novo Banco avança "com bastante intensidade", embora escusando-se a fixar uma data limite para a sua conclusão porque tal "nunca é bom nem saudável" num processo de negociação que está a cargo do Banco de Portugal (BdP).

O Novo Banco foi criado em Agosto de 2014 para trasladar os activos menos tóxicos do extinto Banco Espírito Santo (BES), mas acumulou 2.000 milhões de euros de prejuízo desde então.

Através do fundo de resolução da banca, o Estado injectou 3.900 milhões de euros nesta instituição bancária devido aos riscos de contaminação do sector e, entretanto, dilatou os prazos para que os restantes bancos do mercado o reembolsassem.

Em Setembro de 2015, um primeiro processo de venda foi cancelado porque o BdP considerou que nenhuma das propostas apresentadas era suficientemente razoável.

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
fred 02.02.2017

Os prejuízos dos bancos há muito que estão nacionalizados em todo o mundo. Os partidos grandes sentem-se vencedores, o PCP sente-se derrotado mas a verdade é que a política do Estado face aos bancos é a que quer o PCP e os grandes partidos fazem o contrário do que defendem. Palhaçada!

pub