Orçamento do Estado PS recua na taxa de 5% para os fornecedores do Serviço Nacional de Saúde

PS recua na taxa de 5% para os fornecedores do Serviço Nacional de Saúde

Os socialistas retiraram a proposta de alteração ao Orçamento do Estado que criava uma nova "comparticipação extraordinária" a que ficarão obrigados os fornecedores de meios complementares de diagnóstico e terapêutica, dispositivos médicos e reagentes.
PS recua na taxa de 5% para os fornecedores do Serviço Nacional de Saúde
Filomena Lança 28 de Novembro de 2016 às 12:26

Afinal os dispositivos médicos já não vão ser obrigados a efectuar descontos de 5% sobre as facturas de vendas prestadas ao Serviço Nacional de Saúde (SNS). A proposta de criação de uma nova "comparticipação extraordinária" a que ficariam obrigados os fornecedores de meios complementares de diagnóstico e terapêutica, dispositivos médicos e reagentes, apresentada pelo PS no âmbito das propostas de alteração ao Orçamento do Estado (OE) para 2017 foi retirada e a contribuição extraordinária, pelo menos para já, fica pelo caminho.

 

A questão foi levantada esta segunda-feira, 28 de Novembro, no Parlamento pelo deputado Miguel Santos, do PSD durante o debate do OE na especialidade. Miguel Santos afirmou que "na 5ªa feira, [24 de Novembro] numa reunião da Comissão de Saúde o PS disse que retirava a proposta de criação deste imposto" e quis saber: "Vai haver um imposto de 5% ou não vai haver?"

 

Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, acabaria por confirmar que, efectivamente, a proposta fora retirada.

 

A taxa de 5% era inicialmente mencionada no Relatório que acompanha a proposta de OE para 2017. Mencionava-se aí uma receita esperada de 35 milhões de euros, mas depois, no articulado, não aparecia qualquer previsão legal no sentido da sua criação.

 

Posteriormente, no período para apresentação de propostas de alteração ao OE, os deputados socialistas avançaram com uma proposta de criação desta nova contribuição extraordinária. O objectivo, lia-se na exposição de motivos, seria "gerar poupanças ao nível da despesa" e "assegurar uma melhoria da equidade no acesso e da qualidade nos cuidados do SNS".

 

A medida foi de imediato contestada pelos fornecedores do SNS que se mostraram surpreendidos e se queixaram de não terem sido ouvidos. "A contribuição extraordinária não tem possibilidade de cabimento para as empresas do sector dos dispositivos médicos, maioritariamente PME, que se verão muito afectadas do ponto de vista económico, se tal for aplicado", avisou então a A Associação Portuguesa das Empresas de Dispositivos Médicos (Apormed).




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas pensões futuras devem, obrigatoriamente, ser iguais aos cortes nas pensões atuais!

comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

NÃO RECUARAM COISA NENHUMA

DESGOVERNAM O PAÍS ATRAVÉS DE SONDAGENS DE OPINIÃO

CAMBADA DE TRAMBIQUEIROS

Anónimo Há 1 semana


IGUALDADE PARA TODOS

Os cortes nas pensões futuras devem, obrigatoriamente, ser iguais aos cortes nas pensões atuais!

Anónimo Há 1 semana

PS ou a comédia de Portugal?

pub
pub
pub
pub