Política PS acusa Maria Luís Albuquerque de "descaramento sem limites

PS acusa Maria Luís Albuquerque de "descaramento sem limites

O PS acusou esta terça-feira a ex-ministra Maria Luís Albuquerque de "descaramento sem limites" por criticar a política fiscal do Governo, contrapondo que os impostos "baixam agora significativamente" face ao previsto no programa de estabilidade do anterior executivo.
PS acusa Maria Luís Albuquerque de "descaramento sem limites
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 18 de Outubro de 2016 às 15:22

Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo porta-voz socialista, João Galamba, na Assembleia da República, depois de a vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque, a propósito da proposta de Orçamento do Estado para 2017, ter acusado o actual Governo de aumentar a carga fiscal e agravar a injustiça social.

 

"O descaramento da deputada Maria Luís Albuquerque e deste PSD não tem limites. O mesmo PSD que prometeu aos portugueses uma carga fiscal maior do que este Governo teve em 2016 e apresenta para 2017, o mesmo PSD que ia manter a sobretaxa de IRS até 2020, que ia manter o corte de salários na administração pública até 2019, que ia manter os cortes no complemento solidário para idosos e no rendimento social de inserção, com pensões congeladas até 2019, acusa agora este executivo de apresentar um Orçamento que aumenta a carga fiscal e a injustiça social", reagiu o porta-voz do PS.

 

Partindo da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2017, João Galamba sustentou que, "ao contrário do que afirmou Maria Luís Albuquerque, a carga fiscal baixa relativamente a 2016 e baixa significativamente face ao que estava previsto no programa de estabilidade apresentado [em Bruxelas] pelo executivo de Maria Luís Albuquerque".

 

"Maria Luís Albuquerque fala de impostos temporários que se tornam agora permanentes, mas o único caso desses é o do imposto sobre a Galp, a REN e a EDP, a chamada contribuição extraordinária sobre o sector energético. Um imposto que Maria Luís Albuquerque e o PSD queriam acabar em 2016 e em 2017, muito antes de porem fim a todos os cortes aplicados às famílias portuguesas e sobre os pensionistas", acusou ainda.

 

João Galamba disse mesmo que "a prioridade da política de impostos do PSD era reduzir a carga fiscal para a Galp, para a REN e para a EDP".

 

"Neste ponto Maria Luís Albuquerque tem razão, de facto, o PS não tem essa prioridade e prefere baixar os impostos sobre o trabalho", acrescentou.




A sua opinião66
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Mario Alexandre Há 2 semanas

O "buldogue" de serviço!

comentários mais recentes
OBAMA MASSAMÁ Há 2 semanas

Ó meu PALHAÇO, julgas que estás a falar do teu pai?

Palhaço Há 2 semanas

Cortina de fumo, galamba larga a droga

ELA E O ESCROQUE PASSOS ESTÃO UM PARA O OUTRO Há 2 semanas

Esta vaca ultraliberal da direita radical, que em ética está abaixo de cão, supõe que os Portugueses não têm memória para recordar como foram saqueados por ela e pelo seu chefe, o vígaro Passos, ao mm tempo que os mais ricos duplicaram as fortunas.

Georgina Nunes Há 2 semanas

NÃO TEM VERGONHA NÃO SE VÊ AO ESPELHO NÃO TEM PINGO DE CARÁCTER

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub