Função Pública PS quer escolher mais dirigentes sem concurso

PS quer escolher mais dirigentes sem concurso

A comissão que selecciona os dirigentes do Estado não é para terminar, mas para pode ser muito alterada. Nos cargos de confiança política, a escolha deve ser directa e não por concurso, defende o PS.
PS quer escolher mais dirigentes sem concurso
Catarina Almeida Pereira 13 de Outubro de 2016 às 20:06
A comissão que selecciona os finalistas a cargos dirigentes do Estado (a Cresap) não vai acabar, mas a sua intervenção pode ser reduzida. Ascenso Simões, o deputado do PS que fez a primeira intervenção da comissão parlamentar sobre o assunto, defendeu que cargos de confiança política devem escapar a concursos, como já aconteceu no passado.

"Pode estar à vontade porque a Cresap não vai acabar", respondeu Ascenso Simões, em resposta a uma intervenção de João Bilhim, que está de saída da comissão e que levantou a questão. "O que nos precisamos é de ter uma Cresap que saiba onde tem de intervir", referiu o deputado.


"Temos de separar nomeações de natureza política de cargos que podem merecer uma apreciação e um concurso por parte da Cresap", concretizou o deputado Ascenso Simões, sublinhando que "os cargos das administrações públicas não são todos iguais".


As declarações foram prestadas na Comissão de Orçamento e Finanças, que está a ouvir o ex-presidente da Cresap que se aposentou esta semana, ao fazer setenta anos. João Bilhim foi o primeiro presidente da comissão criada por Pedro Passos Coelho para escolher os três finalistas aos cargos dirigentes do Estado. A lei determinou, no entanto, que a escolha final cabe ao ministro da tutela.

As escolhas finais mostram que pelo menos nalgumas situações a comissão não conseguiu "despartidarizar" os altos cargos da administração pública, conclusão que é assumida pelo professor universitário.

Antes da criação da Cresap, os dirigentes superiores eram escolhidos por indicação directa do Governo e as comissões de serviço cessavam cada vez que o governo mudava.

Durante a audição, o PCP considerou que a comissão é um "embuste". "Não faltaram jobs for the boys nos últimos quatro anos", indicou o deputado Jorge Machado. "Os lugares de confiança política devem ser restringidos ao mínimo e todos os outros devem ir para concursos".


Joana Mortágua, do Bloco de Esquerda, citou Manuela Ferreira Leite para defender que a comissão devia acabar porque neste momento "não se sabe por que critérios" é que os dirigentes são escolhidos. "Quando os cargos são de natureza política devem ser assumidos como tal", defende.




cotacao
"Temos de separar nomeações de natureza política de cargos que podem merecer uma apreciação e um concurso por parte da Cresap.
Ascenso Simões Deputado do PS

Notícia actualizada às 21:26 com mais declarações.





A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Mr.Tuga Há 2 semanas

A transparência dos esquerdalhas do Largo dos RATOS! Uns promíscuos!

comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

A transparência dos esquerdalhas do Largo dos RATOS! Uns promíscuos!

Anónimo Há 2 semanas

Camaradas pá, deviam era extinguir-se os lugares de confiança política. Se não existe qualquer competência necessária para assumir o cargo, então é porque o cargo não é necessário.

Mário Dias Há 2 semanas

PS <3

Elisabete Proenca Há 2 semanas

Qual a novidade ??

ver mais comentários
pub