Europa PSD acusa Governo de "entradas de leão e saídas de ratinho" no Eurogrupo

PSD acusa Governo de "entradas de leão e saídas de ratinho" no Eurogrupo

Costa lembra que no passado autoridades portuguesas se ajoelhavam perante dos colegas na Europa. Primeiro-ministro defende que Governo não tem de estar a ser a repetir que quer saída do presidente do Eurogrupo e adia tomada de posição sobre o assunto para mais tarde.
A carregar o vídeo ...
Marta Moitinho Oliveira 12 de abril de 2017 às 17:14

O líder parlamentar do PSD acusou esta quarta-feira o Governo de nas reuniões do Eurogrupo substituir "entradas de leão por saídas de ratinho". Luís Montenegro referia-se ao facto de o Executivo ter criticado as declarações de Jeroen Dijsselbloem mas não ter pedido a demissão do presidente do Eurogrupo na reunião dos ministros das finanças da Zona Euro. Costa rejeitou que seja necessário estar sempre a repetir a mesma ideia e adiou a negociação da saída do ministro holandês para mais tarde.

No debate quinzenal, no Parlamento, Montenegro, afirmou que, em Portugal, o Governo fala "como um leão". "Mas nas reuniões aí essas entradas de leão são substituídas por saídas de ratinho", disse o líder parlamentar social-democrata. Porque não pediu a demissão do presidente do Eurogrupo na reunião, quis saber Montenegro.


Costa voltou a desvalorizar a polémica que tem marcado os últimos dias – depois de Dijsselbloem ter criticado os países que gastam dinheiro em "copos e mulheres" e depois pedem ajuda. "O secretário de Estado das Finanças transmitiu aliás com uma grande firmeza e pessoalmente o entendimento" do Governo sobre o assunto – de repúdio das declarações.

E vincou as diferenças face ao que se passava antes. "Todos estamos recordados de quando os representantes portugueses se ajoelhavam para falar com os colegas" europeus, disse o primeiro-ministro.

Costa explicou que assim como não é necessário a Assembleia da República estar todos os dias a fazer um voto de protesto, o "Governo cada vez que fala também não tem que repetir a mesma ideia". Até porque, a negociação da presidência do Eurogrupo faz-se noutro fórum, defendeu, acrescentando que "quando for feita e na circunstância em que for feita lá estaremos para a fazer".

O primeiro-ministro não acrescentou qual o momento certo para essa discussão, apesar de ter declarado apoio ao ministro espanhol De Guindos e de ter confirmado que Mário Centeno foi sondado para a função. O ministro holandês das finanças que preside ao Eurogrupo termina o mandato em Janeiro de 2018.

 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 13.04.2017

Uns Ratinhos Nojentos estes comunas do Largo do Rato.

desejoso 12.04.2017

Para além de cuidarem dos seus negócios de legitimidade legal muito duvidosa, gostava, gostava mesmo, que estes pafas que fingem bravatas de estarrecer a pensarem que enganam o zé povinho, dedicassem 5 minutos que fossem a coisas realmente de interesse dos Portugueses. Assim, não! Vão badam....da!

eleitor 12.04.2017

Se o PSD fosse vender laranjas para Jafa. Lá talvez o escutassem !

SÍTIO MUITO MANHOSO 12.04.2017


MUITO BEM !!! SEMPRE É MELHOR QUE ENTRADA DE GATUNOS E SA+IDA COMO GATUNOS !!!

POBRE PARTIDO SEM DESTINO...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub