Europa PSD acusa Governo de "entradas de leão e saídas de ratinho" no Eurogrupo

PSD acusa Governo de "entradas de leão e saídas de ratinho" no Eurogrupo

Costa lembra que no passado autoridades portuguesas se ajoelhavam perante dos colegas na Europa. Primeiro-ministro defende que Governo não tem de estar a ser a repetir que quer saída do presidente do Eurogrupo e adia tomada de posição sobre o assunto para mais tarde.
A carregar o vídeo ...
Marta Moitinho Oliveira 12 de abril de 2017 às 17:14

O líder parlamentar do PSD acusou esta quarta-feira o Governo de nas reuniões do Eurogrupo substituir "entradas de leão por saídas de ratinho". Luís Montenegro referia-se ao facto de o Executivo ter criticado as declarações de Jeroen Dijsselbloem mas não ter pedido a demissão do presidente do Eurogrupo na reunião dos ministros das finanças da Zona Euro. Costa rejeitou que seja necessário estar sempre a repetir a mesma ideia e adiou a negociação da saída do ministro holandês para mais tarde.

No debate quinzenal, no Parlamento, Montenegro, afirmou que, em Portugal, o Governo fala "como um leão". "Mas nas reuniões aí essas entradas de leão são substituídas por saídas de ratinho", disse o líder parlamentar social-democrata. Porque não pediu a demissão do presidente do Eurogrupo na reunião, quis saber Montenegro.


Costa voltou a desvalorizar a polémica que tem marcado os últimos dias – depois de Dijsselbloem ter criticado os países que gastam dinheiro em "copos e mulheres" e depois pedem ajuda. "O secretário de Estado das Finanças transmitiu aliás com uma grande firmeza e pessoalmente o entendimento" do Governo sobre o assunto – de repúdio das declarações.

E vincou as diferenças face ao que se passava antes. "Todos estamos recordados de quando os representantes portugueses se ajoelhavam para falar com os colegas" europeus, disse o primeiro-ministro.

Costa explicou que assim como não é necessário a Assembleia da República estar todos os dias a fazer um voto de protesto, o "Governo cada vez que fala também não tem que repetir a mesma ideia". Até porque, a negociação da presidência do Eurogrupo faz-se noutro fórum, defendeu, acrescentando que "quando for feita e na circunstância em que for feita lá estaremos para a fazer".

O primeiro-ministro não acrescentou qual o momento certo para essa discussão, apesar de ter declarado apoio ao ministro espanhol De Guindos e de ter confirmado que Mário Centeno foi sondado para a função. O ministro holandês das finanças que preside ao Eurogrupo termina o mandato em Janeiro de 2018.

 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Uns Ratinhos Nojentos estes comunas do Largo do Rato.

desejoso Há 2 semanas

Para além de cuidarem dos seus negócios de legitimidade legal muito duvidosa, gostava, gostava mesmo, que estes pafas que fingem bravatas de estarrecer a pensarem que enganam o zé povinho, dedicassem 5 minutos que fossem a coisas realmente de interesse dos Portugueses. Assim, não! Vão badam....da!

eleitor Há 2 semanas

Se o PSD fosse vender laranjas para Jafa. Lá talvez o escutassem !

SÍTIO MUITO MANHOSO Há 2 semanas


MUITO BEM !!! SEMPRE É MELHOR QUE ENTRADA DE GATUNOS E SA+IDA COMO GATUNOS !!!

POBRE PARTIDO SEM DESTINO...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub