Política Montenegro não avança e abre caminho a Rangel

Montenegro não avança e abre caminho a Rangel

Rui Rio e Paulo Rangel são agora os nomes dados como mais prováveis na corrida à liderança do maior partido da oposição. Se a escolha do novo presidente acontecer em Dezembro, como sugeriu Passos, o partido pode contar com um novo líder no arranque de 2018.
Montenegro não avança e abre caminho a Rangel
Miguel Baltazar
Marta Moitinho Oliveira 06 de outubro de 2017 às 00:01

Luís Montenegro decidiu não avançar para a corrida à liderança do PSD, deixando o caminho aberto para Paulo Rangel, o outro passista que disputa uma base de apoio dentro do partido semelhante à do ex-líder parlamentar. Apenas cinco dias depois da derrota nas autárquicas que levou Passos a não se recandidatar a um novo mandato começa a ficar mais claro quem poderá estar na linha de partida além de Rui Rio, cuja candidatura deverá ser apresentada na próxima semana.  

"Após a reflexão que fiz, entendo que, por razões pessoais e políticas, não estão reunidas as condições para, neste momento, exercer esse direito", diz Montenegro, que pede que o partido faça um debate de ideias. "É determinante que o PSD não fulanize o debate interno e que seja capaz de discutir as ideias e os projectos  que deveremos apresentar aos portugueses."

Rui Rio e Paulo Rangel são agora os nomes dados como mais prováveis na corrida à presidência do maior partido da oposição. Aberta a porta à saída de Passos - pelo próprio - logo no domingo à noite, na terça-feira o ainda presidente do partido revelou que não se recandidata à liderança.


Rui Rio, o ex-autarca do Porto, era já um candidato dado como certo mesmo antes das eleições autárquicas, que ditaram uma derrota para o PSD, que perdeu  a presidência de sete autarquias nas eleições de domingo. Mas a noite do Conselho Nacional foi decisiva para perceber se haveria outro candidato que não deixasse Rui Rio ir sozinho às eleições internas do partido. No discurso em que anunciou a decisão de não se recandidatar, não passou despercebidoaa menção de Passos a Paulo Rangel, o eurodeputado e vice-presidente do Partido Popular Europeu (PPE), a família política onde o PSD se insere a nível europeu.


Estaria lançado o nome do candidato que serviria de continuidade para os passistas mas que poderia ter outros apoios - nomeadamente os que não quisessem apoiar Rio. O nome de Luís Montenegro - um passista que vinha de dentro - era uma possibilidade apontada até agora. Na passada noite de terça-feira, o ex-líder da bancada parlamentar manteve-se em jogo, dizendo ter "a responsabilidade de fazer a ponderação, de ouvir muitas pessoas".

Com a decisão de Montenegro, fica agora claro que só um passista - Paulo Rangel - avança contra Rio. A lógica é simples: um candidato da ala passista consegue agregar os fiéis a Passos Coelho e os que não querem Rio.

Sobra ainda Pedro Santana Lopes que já admitiu estar a ponderar se avança para uma candidatura.

Por estes dias, os eventuais candidatos a líder da oposição medem o pulso ao partido e tentam perceber que apoios têm. A Visão avançava esta semana que Rio poderá já ter 60% das estruturas do partido do seu lado.

Além dos apoios dentro do partido - muito importantes na hora de escolher um líder - outro indicador relevante para a decisão final sobre quais os candidatos que avançam é perceber quais deles têm melhores condições para o "day after", ou seja para liderar a oposição e recuperar o partido até às legislativas de 2019.

    

Congresso um mês depois das directas


No início da próxima semana, o partido define o calendário para a eleição e consagração do novo presidente do partido. Passos abriu a porta a que as eleições possam acontecer em Dezembro, o que atira o congresso para Janeiro. É neste fórum que fica definida a estratégia do partido.


Os estatutos prevêem que depois das directas pode haver uma segunda volta - uma semana depois. Entretanto ocorre a inscrição dos delegados eleitos em directas e o prazo para entrega das moções temáticas.


O Conselho Nacional do PSD volta a reunir-se na próxima segunda-feira para marcar o calendário completo do partido.

 




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado SÍTIO MUITO MANHOSO Há 2 semanas


. . . Não arranjam gente séria ?

É que infelizmente Sá Carneiro , não pode ressuscitar lá do sítio onde está e assim continuará sem descanso ao ver a GATUNAGEM a revezar-se e a continuar a destruir a sua obra !

comentários mais recentes
As Greves e a Politica, o PC e PSD Há 1 semana

Com os resultados Autárquicas,era sabido, o PCP e o BE iam deitar Mãos as poderosas Armas Politicas, e mandatários Sindicais, tal como o PSD ha muito vem fazendo com Enfermeiros, como o Povo vai reagir nas próximas Eleições face as greves previstas ? Castigar os Responsáveis das Greves com + ou - %?

O PSD é Social Democrata ou não? Há 2 semanas

Pergunto, face às Candidaturas Perfiladas chega-se á Conclusão, Afinal o PSD não é um Partido Social Democrata, só vemos Candidaturas Neoliberais, afinal a Social Democracia está no PS, a ser como parece,o Eleitorado social democrata tem vivido num Logro, já que afinal o PSD é uma Mentira.

A Tentar Perceber Há 2 semanas

Mas é isto que o PSD tem para oferecer aos Militantes ? Não passa do Bolor ? Então o Partido Social Democrata não tem nenhum social democrata para se candidatar ? Só tem Neoliberais ? Os Sociais Democratas foram todos para o PS? Um PSD sem sociais Democratas é Giro, não? M Giro, nem sei, Será Legal.

Plol Há 2 semanas

Só grandes nomes!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub