Política PSD defende que mérito do Governo no crescimento é "o que não estragou" do anterior

PSD defende que mérito do Governo no crescimento é "o que não estragou" do anterior

O PSD saudou hoje a revisão em alta do crescimento económico, que atribuiu à conjuntura internacional e a medidas do anterior executivo, defendendo que o mérito do actual Governo é o que "não estragou".
Lusa 31 de agosto de 2017 às 18:44

"A quota de mérito deste Governo é o que resta do que não estragou do que vinha de trás", defendeu o deputado Álvaro Campos Ferreira, em declarações aos jornalistas no parlamento, referindo-se ao crescimento de 2,9% da economia portuguesa no segundo trimestre.

 

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou hoje que a economia portuguesa cresceu 2,9% no segundo trimestre deste ano em termos homólogos e 0,3% face ao trimestre anterior, revendo em alta a estimativa rápida que tinha divulgado em 14 de agosto.

 

Campos Ferreira começou por expressar a congratulação do PSD "pelos resultados na economia", considerando que "há duas fontes" que o justificam, a começar nas "bases que o Governo anterior deixou", com "um conjunto significativo de reformas, na área laboral, na área tributária, de incentivos e uma atmosfera criada junto do tecido empresarial para que as empresas se vocacionassem ainda mais para a exportação".

 

Em segundo lugar, o PSD considera que o crescimento se deve aos "bons estímulos externos que a economia portuguesa está a ter ".

 

"Ao contrário do que foi sempre a teoria deste Governo, de que a economia cresceria com base no consumo interno, tem-se verificado que o crescimento económico que Portugal tem tido é fruto daquilo que são os estímulos internacionais, do comércio internacional", argumentou.

 

Campos Ferreira defendeu ainda que esta conjuntura internacional positiva "não está a ser devidamente aproveitada por este Governo", apontando que, no crescimento trimestre a trimestre, só a Finlândia cresceu menos do que Portugal.

 

"Significa que há aqui uma desaceleração daquilo que é a actividade económica. Previsões dos diversos organismos estabelecidas vão ser cumpridas", declarou.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
joao 31.08.2017

KAKAKAKAKA! já não há pachorra para estes otários PAFiosos. nem sabem o que dizem. 1º era o fim do mundo e ia ser a desgraça. agora afinal o governo até faz bem mas o que faz é deixar as coisas do passado. tratem-se !

Anónimo 31.08.2017

O mérito é de um governo anterior .. o do Marquês de Pombal . Se não fosse ele Lisboa ainda estava em ruínas .

pub