Economia PSD e BE querem agilizar e alargar atribuição da nacionalidade portuguesa

PSD e BE querem agilizar e alargar atribuição da nacionalidade portuguesa

Os dois partidos vão propor nesta semana alterações à Lei da Nacionalidade. O PSD quer menos burocracia e o BE quer alargar o seu âmbito aos filhos de estrangeiros nascidos em Portugal.  
PSD e BE querem agilizar e alargar atribuição da nacionalidade portuguesa
Miguel Baltazar
Negócios com Lusa 01 de fevereiro de 2017 às 14:11

A Lei da Nacionalidade regressa ao parlamento nesta quinta-feira, com o PSD a propor alterações para "eliminar obstáculos burocráticos" e "discricionariedade nos processos", enquanto o Bloco de Esquerda vai insistir que crianças nascidas em Portugal sejam automaticamente portuguesas.

O PSD leva a debate um projecto de lei que pretende "eliminar os obstáculos burocráticos inúteis, os incidentes dilatórios, a discricionariedade na condução dos processos, bem como custos de natureza emocional, material e de decomposição familiar que o actual regime potencia nos processos de aquisição da nacionalidade por aqueles que optaram por constituir família com cidadãos portugueses".

A proposta da bancada social-democrata prevê que, para aquisição de nacionalidade por um cônjuge casado com um cidadão português, baste o casamento ou união de facto há, pelo menos, seis anos, deixando de ser necessário, como actualmente, que o interessado constitua advogado e que o processo passe pelo Ministério Público.

No caso de netos, o PSD propõe que seja eliminada da lei a expressão "possuírem efectiva ligação à comunidade", porque a "efectiva ligação à comunidade decorre da efectiva descendência em segundo grau na linha recta".

Além disso, o PSD pede a eliminação da menção "plena" na expressão "adopção plena", porque a "adopção em Portugal reveste hoje uma única modalidade" -- um argumento que também surge no projecto de lei do BE.

Os bloquistas insistem também com a proposta de atribuição da nacionalidade portuguesa às crianças, nascidas em Portugal, "filhos de estrangeiros que não se encontrem ao serviço do respectivo Estado".

"Na verdade, não há hoje qualquer razão para que os filhos de imigrantes, que aqui nasceram e aqui cresceram, que aqui frequentaram a escola, que aqui construíram todas as suas redes de sociabilização e que muitas vezes não têm qualquer ligação com o país de origem dos seus progenitores, vejam limites à concessão da nacionalidade portuguesa", refere a iniciativa do Bloco.

Por outro lado, os deputados do BE propõem que, para contagem do tempo para a aquisição da nacionalidade por naturalização, deve ser contemplado o tempo de residência efectivo no país e não apenas o período correspondente à 'residência legal', conforme prevê a actual redacção da lei.

No caso dos cônjuges, os bloquistas pedem que a aquisição da nacionalidade por estrangeiro casado ou unido de facto exija apenas a declaração do matrimónio ou do reconhecimento, pela respectiva junta de freguesia, da união de facto.

Por fim, o projecto do BE sugere que o valor dos emolumentos necessários para "atribuição, aquisição e perda da nacionalidade" sejam iguais aos da emissão ou substituição do cartão de cidadão.

No passado dia 19 de Janeiro, numa audiência na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros, o deputado do PSD e antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas José Cesário convidou o Governo a juntar-se à bancada social-democrata para se "encontrar soluções concretas que permitam resolver imensos dramas, imensos problemas que há por esse mundo fora neste domínio, em matéria de aquisição de nacionalidade".

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considerou "muito importante" que os vários grupos parlamentares e o Governo "trabalhem no sentido de desbloquear alguns problemas e também contrariar alguns abusos", mas avisou que este é um "esforço que só se pode fazer em clima de unidade, sem trazer para isto o combate partidário".

A 29 de Maio de 2015, a maioria PSD/CDS e o PS aprovaram no parlamento, em votação final global, um diploma que passa a estender a possibilidade de aquisição da nacionalidade portuguesa originária aos netos de portugueses nascidos no estrangeiro.

Em relação a este projecto, que partiu da maioria PSD/CDS, o PCP, o Bloco de Esquerda e "Os Verdes" abstiveram-se, enquanto os deputados socialistas Isabel Moreira e Pedro Delgado Alves contrariaram a orientação da sua bancada e votaram contra.

Com a emenda proposta pelo deputado socialista Jorge Lacão, a atribuição da nacionalidade portuguesa originária a netos de emigrantes ficará assim dependente da demonstração pelo requerente de "conhecimentos suficientes da língua portuguesa" e da existência de "contactos regulares com o território português".

Ficará ainda dependente de não existir "qualquer condenação (com trânsito em julgado de sentença) pela prática de crime punível com pena de prisão de máximo igual ou superior a três anos, segundo a lei portuguesa".

A lei aguarda ainda regulamentação, que deveria ter sido apresentada em finais de Agosto passado.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
What? Há 3 semanas

Para quê? para também termos futuros terroristas insiders? Optimo timing para agora vir mexer num assunto destes!

pub