Ambiente PSD exige que Governo esclareça valor apurado de donativos "ridiculamente baixo"

PSD exige que Governo esclareça valor apurado de donativos "ridiculamente baixo"

A vice-presidente do PSD Teresa Morais exigiu hoje esclarecimentos adicionais ao Governo sobre os donativos privados às vítimas dos incêndios florestais da região Centro, em Junho, considerando o valor apurado "ridiculamente baixo".
PSD exige que Governo esclareça valor apurado de donativos "ridiculamente baixo"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 05 de setembro de 2017 às 13:53
"A resposta é a de que foram submetidos termos de adesão de donativos de 3,2 milhões, estando concretamente transferidos 1,9 milhões. Este valor é - julgo que toda a gente anuirá - muito baixo e ridiculamente baixo, se comparado com as expectativas criadas pelos números que foram divulgados", disse a deputada social-democrata, em conferência de imprensa, na sede nacional do PSD, em Lisboa.

Segundo a dirigente "laranja", após questões colocadas em Julho e Agosto pelo PSD, a resposta do executivo surgiu agora, por intermédio do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva.

"Esse número, que circulou na opinião pública e publicada, nunca teve confirmação oficial, mas a verdade é que ouvimos números que rondavam os 13, 14 milhões [de euros]. Precisamente porque nunca foram confirmados pelo Governo e era importante saber qual o valor exacto dos donativos dos portugueses, também das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, é que perguntamos qual o exacto valor dos donativos de particulares", insistiu.

As várias frentes de fogo, que afectaram mais directamente as regiões de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos provocaram, pelo menos, 64 mortos e mais de 200 feridos.

"Cumpre ao Governo, que entendeu criar um fundo público, gerido por uma entidade pública e tutelado pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, explicar cabalmente aos portugueses que valores são estes, onde estão os restantes donativos, quem os está a gerir e em que termos", desafiou Teresa Morais.

A vice-presidente do PSD considerou ainda que a discrepância apontada "revela total descoordenação e incapacidade" do Governo em gerir os donativos privados.

"O Governo entendeu que devia ser ele a gerir os donativos que os portugueses fizeram na sua expressão de solidariedade e, no entanto, responde agora que há 1,9 milhões [de euros] no fundo que para isso criou. É absolutamente imperioso que esclareça o valor dos restantes donativos e dê uma explicação acerca dessas quantias e qual o destino que lhes está a ser dado", afirmou.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Alberto Sousa 05.09.2017

Pronto, com isto está tudo dito. Brevemente irá ser explicado aos portugueses, quem gere o quê! O que significa que o português, é sempre o ultimo a saber, e quando sabe, regra geral é tarde. É um velho ditado o que diz que quem parte e reparte, e fica com a menor parte, ou é tolo ou não tem arte.

Anónimo 05.09.2017

e com quanto contribuiu o psd?

JÁ AGORA PODIAM PERGUNTAR QUANTO RECEBEU A CÁRITAS E AS IPSS.S!

VÃO PASSEAR O CÃO!

mpro 05.09.2017

Para perceber, a senhora, deveria ter frequentado a universidade de verão do psd, onde o sr. Silva, foi prof.

Já não Há Mentira que Pegue 05.09.2017

A Senhora de Capuchinho na Cabeça, q vi falar na TV, Devia explicar onde está o Dinheiro, Sempre que vi o PSD e o CDS Muito preocupados com a distribuição dos Milhões de Euros do Estado, dos Contribuintes, logo vi que tinham pressa de esconder os donativos Particulares, e logo imaginei as golapadas